Norte de Minas: Viva a Nova Cachoeirinha!

A- A A+

Reproduzimos a seguir nota de saudação da Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e Sul da Bahia às famílias camponesas que retomaram as terras da Fazenda Vera Cruz e fizeram o corte popular estabelecendo a Nova Cachoeirinha. 

Também repercutimos a nota de solidariedade do Comitê de Apoio à Luta pela Terra às famílias camponesas do Acampamento Nova Cachoeirinha, em Verdelândia, Norte de Minas.


Viva a Nova Cachoeirinha!

Saudamos e manifestamos nossa solidariedade e apoio às famílias camponesas que no dia 02 de agosto retomaram as terras da Fazenda Vera Cruz e nelas estabeleceram a “Nova Cachoeirinha”, resistindo à perseguição da polícia e aos ataques de pistoleiros!

As famílias trabalhadoras da “Nova Cachoeirinha”, legítimas donas destas terras, resistem e conclamam ao povo norte mineiro e de todo o país a não permitir que os crimes cometidos contra o povo no passado se repitam mais uma vez, como tem sido na historia do Brasil, nestes cinco séculos de latifúndio! Como vimos se realizar recentemente em Pau D´Arco no Pará, com a morte de 10 trabalhadores.

Essas são terras que, como muitas na região, foram griladas durante o regime civil-militar, pelos latifundiários e que através do 10º Batalhão da PM de Montes Claros e seu comandante Coronel Georgino de Souza e bandos de pistoleiros, expulsou e perseguiu as famílias dos posseiros e graças a manobras cartoriais e jurídicas, passaram a ser os novos “proprietários” como o advogado Manoel Patrício Souza Gomes.

Na madrugada do dia 4 de agosto as famílias foram atacadas a tiros por pistoleiros contratados por Manoel Patrício e comandados pelo seu filho Guilherme. As famílias camponesas da “Nova Cachoeirinha” denunciam que os latifundiários da região estão se unindo e armando pistoleiros para fazer um novo massacre!

Essas são as terras banhadas pelo sangue dos camponeses Martim Fagundes, Ursino Preto, Juarez, Marcionílio e Antônio Manso que ao resistirem ao roubo, humilhações e ameaças, foram assassinados na década de 60 pelo mesmo conclave de inimigos do povo que hoje atacam novamente: a polícia e pistoleiros, ambos a soldo dos latifundiários.

Essas são as terras banhadas pelo sangue de 62 crianças mortas em 1967, pelo frio, fome e sarampo durante a expulsão dos camponeses que tiveram que se embrenhar no mato!

São as terras prometidas pelo governo de Tancredo Neves na década de 80, que foram desapropriadas como reconhecimento do crime de Estado e de grilagem de terras cometido contra os camponeses durante o regime militar, mas que nunca foram entregues aos seus verdadeiros donos!

Por décadas as famílias lutaram para que esta injustiça histórica fosse reparada, mas a “reforma agrária” do governo faliu e para o povo só ficou repressão e criminalização, enquanto o governo entrega rios de dinheiro para o agronegócio.

Somente através da Revolução Agrária, através das tomadas e corte das terras pelos próprios camponeses, com apoio e solidariedade dos democratas, honestos e de bem de nosso país é que os antigos posseiros e seus descendentes tem encontrado solução para esta contradição. Essas são as terras que mil vezes roubadas, mil vezes serão retomadas pelos camponeses!

Repudiamos os ataques covardes de pistoleiros e exigimos providências das chamadas autoridades do Governo Federal, INCRA, Ouvidoria Agrária Nacional e Estadual, Ministério Público, Governo de Minas Pimentel/PT, Assembleia Legislativa/MG, Prefeitura Municipal de Verdelândia e etc.

A omissão perante as graves denúncias já realizadas representa a cumplicidade com mais um massacre anunciado por bandos de pistoleiros que circulam armados, a luz do dia, na cidade e agenciando outros em Nova Porteirinha.

Conclamamos a todos os companheiros e companheiras, aos camponeses em luta pela terra, aos povoados vizinhos, às associações, aos quilombolas, aos assentados, aos pequenos e médios proprietários, aos sindicalistas, aos comerciantes, professores, estudantes, intelectuais honestos e de bem a se unirem na defesa da Nova Cachoeirinha!

Viva os 50 anos da heróica resistência dos posseiros de Cachoeirinha!

Morte ao Latifúndio! Viva a Revolução Agrária!

 


Nota de solidariedade do Comitê de Apoio à Luta pela Terra

O Comitê de Apoio à Luta pela Terra do Norte de Minas convoca todos a manifestarem publicamente seu apoio às famílias de Nova Cachoeirinha assinando a nota de apoio que segue. Aos interessados, favor responder através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., informando nome, profissão e local de atuação e, no caso de entidade (sindicatos, associações, etc.), o nome da mesma.

Solidariedade às famílias do Acampamento “Nova Cachoeirinha”

Na noite do dia 02 de agosto, dezenas de famílias camponesas, apoiadas pela LCP – Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e Sul da Bahia, reocuparam as terras da Fazenda Vera Cruz, em Cachoeirinha/Verdelândia, Norte de Minas Gerais.

Já na madrugada do dia 04/08, Guilherme, filho do pretenso “proprietário” da fazenda Manoel Patrício Souza Gomes, juntou uma tropa de bandidos e tentou expulsar à bala as famílias que resistiram e permanecem nas terras. As movimentações dos latifundiários na região apontam ainda à preparação de novos ataques contra as famílias.

A Fazenda Vera Cruz é parte das terras roubadas dos camponeses pelo latifúndio durante o regime militar na década de 60, a partir da violenta e covarde ação das tropas da PM e pistoleiros comandados pelo famigerado Coronel Georgino Jorge de Souza, do 10°Batalhão da PM de Montes Claros. Os camponeses que reocuparam as terras da Fazenda Vera Cruz das garras do latifundiário grileiro Manoel Patrício são continuadores desta luta, legítimos herdeiros da Heroica Resistência dos Posseiros de Cachoeirinha que, neste ano, celebra-se o seu cinquentenário.

Centenas de famílias, remanescentes da resistência dos posseiros na década de 1960, demandam a criação de assentamentos e/ou a regularização definitiva das suas posses e os diferentes governos estaduais e federais tem sido omissos, ao não desapropriarem os vários latifúndios criados a partir do conhecido esquema de grilagem em Cachoeirinha.

Exigimos da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário – SEDA e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA que tomem providências urgentes!

Responsabilizamos o governo de Pimentel/PT e Temer/PMDB/PSDB por qualquer outra agressão que venha ocorrer contras essas famílias, uma vez que toda esta situação é de conhecimento público e os ataques contra os camponeses, muitas vezes, contando com a cumplicidade e mesmo a participação de policiais, têm sido recorrentes em Cachoeirinha/Verdelândia.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait