França: Macron quer explorar mais o proletariado

A- A A+

O governo reacionário de Emmanuel Macron apresentou sua contrarreforma trabalhista para precarizar e superexplorar o proletariado francês, no dia 31/08.

Entre os pontos mais absurdos da contrarreforma, destaca-se a proposta que visa aumentar a carga horária de 35 para 60 horas semanais, dando aos monopólios a possibilidade inclusive de impor turnos de até 12 horas.

O ataque visa ainda restringir o direito à hora extra e folgas em alguns casos. A isso soma-se a proposta dos monopólios imporem as jornadas aos trabalhadores individualmente, à margem das negociações diretas com a associações sindicais.

Outra "medida" visa facilitar as demissões de trabalhadores aos monopólios transnacionais, diminuindo o valor anteriormente estabelecido da indenização a ser paga ao trabalhador demitido.

Macron também anunciou que este pacotaço antipovo não passará pelo crivo e emendas do legislativo, mas será aprovado diretamente via decreto presidencial e posteriormente sancionadas pelo parlamento.

As massas quem pagam a crise

A França passa por uma aguda crise econômica, com o desemprego alcançando 10% da população ativa. Para enfrentá-la, o Estado imperialista necessita aumentar a sua reacionarização, submetendo o legislativo ao Executivo e as massas à maior exploração das corporações monopolistas, que terão toda a liberdade para saquear a classe operária.

A "reforma" também visa recuperar a credibilidade dos monopólios franceses e demonstrar poder de influência na "União Europeia", para avançar a uma maior pressão com a Alemanha para reformar a "União Europeia", na tentativa de conseguir uma melhor condição para disputar a hegemonia e os superlucros obtidos da exploração das áreas de influência do "bloco".

Tudo indica que o reacionário Macron terá que enfrentar uma dura resistência do proletariado. Ele mesmo admitiu, cinicamente, que “os franceses odeiam reformas”, referindo-se aos cada vez mais constantes ataques contra os direitos do povo francês. Sua desmoralização está já em alta desde a farsa eleitoral, realizada em maio deste ano, onde 23% se abstiveram e 50% dos jovens entre 18 e 25 anos não votariam, segundo o jornal reacionário Der Spiegel.

 “Com Macron enfrentaremos uma guerra econômica”, afirmou o trabalhador Cheker Messaoudi, 29 anos, descendente de tunisiano, em entrevista ao New York Times então às vésperas da eleição, em maio.

Polícia francesa ataca manifestação contra reforma trabalhista, 15/09/2016, à época proposta pelo reacionário François Hollande. Novos protestos prometem estremecem o país

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait