Colômbia e Chile: Estudantes celebram 100 anos da Revolução Russa

A- A A+

Fotos: Estudantes colombianos fazem pichações em celebração aos 100 anos da Grande Revolução de Outubro

Estudantes da Colômbia e do Chile realizaram ações como parte da celebração aos 100 anos da Grande Revolução Socialista de Outubro. Na Colômbia, estudantes picharam os muros da Universidade de Antioquia, localizada em Medellín, no dia 31 de outubro. Tomando em conta os legados da Revolução Bolchevique, os alunos da universidade criticam a academia e sua reprodução intelectual burguesa, que promove discursos falsos a respeito da grande realização proletária de 1917 na Rússia.

Segundo os estudantes, as mentiras buscam ocultar as realizações da revolução socialista, como a solução de problemas cruciais como desemprego, fome, pobreza, analfabetismo etc. provocando o aumento a produtividade da indústria e da agricultura, além de proporcionar ampla democracia para o povo. Eles apontam que tais mentiras são disseminadas pelo imperialismo e seus intelectuais adestrados e pelo oportunismo.

Os estudantes da universidade ressaltam a importância de analisar as vitórias da Grande Revolução Socialista de Outubro e tomar os seus ensinamentos como uma necessidade a ser atendida por todos os países, para a construção de um mundo novo. Como demonstração de internacionalismo proletário, vários dos ativistas vestiam bonés da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) do Brasil.

No Chile, a Frente de Estudantes Revolucionária e Popular (FERP) emitiu pronunciamento no qual ressalta importantes aspectos da Revolução Bolchevique. Afirmam que esse marco histórico representa o início de uma nova era, a da Revolução Proletária Mundial, no qual é proposto um mundo novo, sem ricos e nem pobres, não havendo nenhuma concessão com a exploração capitalista do homem pelo homem.

Os estudantes relatam ainda que hoje assumir o legado da Revolução Bolchevique significa agarrar cabalmente a ideologia do proletariado, o marxismo-leninismo-maoismo, constituir e reconstituir partidos comunistas e, mobilizando e organizando as massas, fazer a revolução. Apontam que este é o único caminho que possibilita a libertação dos povos, sobretudo das semicolônias do imperialismo.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait