PE: Mobilização exige justiça para assassinato de militante revolucionária

A- A A+

Mural realizado na UFPE exigindo o aparecimento da estudante de pedagogia desaparecida no dia 17/12

Remís Carla, estudante de pedagogia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), 24 anos, militante do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) e do Movimento Feminino Popular (MFP) desapareceu no dia 17 de dezembro, esta foi vista pela última vez na casa de seu ex-namorado Paulo César, no bairro Nova Morada, em Recife. Após grande mobilização popular o seu desaparecimento teve lamentável desfecho na tarde de sábado (23/12) com o encontro do corpo da militante enterrado a 10 metros da casa de Paulo César, que confessou o assassinato de Remís.

Há um mês a jovem já havia prestado queixas na Delegacia da Mulher denunciando as agressões do ex-namorado. Na ocasião, o tratamento dado pelos policiais a denúncia foi sarcástico - como, aliás, ocorre na grande maioria dos casos - , chegando ao ponto de sugerir para a própria vítima que esta teria forjado as marcas de agressão em seu braço com tinta de caneta. Logo, as medidas protetivas que deveriam garantir o seu resguardo, através da Lei Maria da Penha, não foram efetivadas.

Estudantes, familiares e amigos se reúnem para ampliar a repercussão do caso Remís.

Fatos como este, que se repetem com as mulheres do nosso povo, revelam a conivência do velho Estado burguês-latifundiário com estes crimes e deixam claro que, na prática, as medidas legislativas dentro dessa falácia de "Estado Democrático de Direito" não solucionam a opressão contra a mulher. Conforme denunciado na nota emitida pelo Movimento Feminino Popular (MFP) e pelo Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR): "E este é um fato que tem se repetido inúmeras vezes por todo o país ao longo dos últimos anos: mulheres denunciam agressões domésticas, não recebem proteção e, em seguida, são assassinadas. Mais uma legislação populista, que promete resolver o problema da opressão contra a mulher, mas que em muitos casos agrava as situações de violência. Não podemos nos iludir, esse velho Estado nunca irá proteger as mulheres trabalhadoras! A opressão sexual contra a mulher é parte da base econômica desse sistema capitalista, pois a dupla jornada do trabalho familiar feminino compõe uma importante soma dos lucros da burguesia, que não se vê obrigada a remunerar o invisível trabalho doméstico."

Campanha pela busca de Remís, um caso muito frequente que ocorre com a maioria das mulheres, tomou grandes proporções em Pernambuco.

De diversas formas o velho Estado deu tratamento inadequado para a investigação do desaparecimento da estudante Remís. Segundo denúncias dos próprios amigos, no dia 20/12 o delegado enviou cães farejadores à casa do assassino, entretanto não os utilizou para sondar o local externo ao entorno da casa de Paulo César, local que logo mais tarde foi descoberto, após muita insistência popular, estar ali enterrado o corpo da jovem lutadora do povo.

Os companheiros da jovem estudante foram os que levantaram indícios de que o ex-namorado seria o assassino, após notarem o ferimento na mão esquerda de Paulo e o tapume construído do lado de fora da casa, que tinha o fim de dificultar a visibilidade do local onde o corpo foi ocultado.

Foi por meio da intensa mobilização e organização popular através da campanha Cadê Remís?, que tomou grandes proporções, que se foi possível revelar o ocorrido.

A campanha movimentou familiares, amigos, companheiros de luta e a comunidade acadêmica da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), onde Remís estudava. Foi exatamente essa luta que moveu a reitoria da UFPE a pressionar o "governo" estadual na solução do caso. E foi o resultado de todo o trabalho da campanha que conduziu até a denúncia anônima que revelou o local do corpo da militante.

Somente com a mobilização popular e organização do povo foi possível encontrar e conceder um enterro digno a essa militante revolucionária. As posturas prestadas pelas "autoridades" do velho Estado por si só não solucionariam as buscas pelo corpo da jovem se não fosse o protesto popular.

Os familiares e amigos permanecem na luta pela punição ao assassino, porém cientes de não alimentar ilusões com este podre judiciário que só fez o mínimo após muita pressão popular. 

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait