MA: Ka’apor realizam autodemarcação e autodefesa de seu território

A- A A+
Ka'apor expulsam madeireiras e incendeiam seus equipamentos e máquinas, agosto de 2014. Foto de Lunae Parracho/Reuters

Com informações do Repórter Brasil

 

Os ka’apor têm avançado ano a ano em seu processo de autodemarcação e autodefesa de seu território tradicional no estado do Maranhão. Os indígenas, cansados da inoperância dos órgãos do velho Estado, estabeleceram os limites de seu território e começaram a expulsar os invasores.

Concentrados principalmente na Terra Indígena (TI) Alto Turiaçu, território com 531 mil hectares situado entre sete municípios do oeste maranhense [1], os ka’apor têm expulsado os madeireiros, os principais invasores de sua terra, chegando a apreender e incendiar equipamentos, máquinas e infraestruturas construídas ilegalmente por eles.

Pequenas estradas têm sido reconstruídas para garantir a locomoção dentro da terra indígena e permitir as ações de autodefesa realizadas pelos guardas florestais indígenas. A guarda florestal ka’apor foi criada em 2013 reunindo indígenas de diferentes aldeias.

Para evitar a invasão das madeireiras os indígenas também criaram áreas de proteção em locais onde havia pontos de extração ilegal de madeira. Atualmente existem sete áreas de proteção, que tem contribuído para a redução do desmatamento da floresta amazônica presente no oeste do Maranhão.

Latifundiários e madeireiros indignados com as ações dos ka’apor reagiram através de uma série de ataques e assassinatos. Em 2015, a liderança Euzébio Ka’apor foi assassinada em uma emboscada, sendo alvejado por vários disparos pelas costas.

Em vídeo disponibilizado pela agência Repórter Brasil podem ser vistas imagens das ações de autodefesa dos indígenas como a queima de uma ponte construída para o transporte de madeira dentro da TI Alto Turiaçu, além da detenção de trabalhadores a serviço das madeireiras.

 

A organização dos ka’apor

Os ka’apor, que acabaram com o sistema do cacicado, se organizam por meio do Conselho dos Tuxás, que reúne as lideranças de 14 das 17 aldeias da TI Alto Turiaçu, no qual  as decisões do conselho são tomadas coletivamente. Além do Conselho dos Tuxás, cada aldeia tem o seu próprio conselho.

A educação dentro da TI Alto Turiaçu é de responsabilidade dos próprios ka’apor, sendo compreendida como uma das chaves para se preservar a sua cultura. As crianças e os adolescentes são escolarizados na língua ka’apor, sendo que até os onze anos de idade a escolarização é realizada apenas neste idioma e depois em ka’apor e português.

Cansados de serem negligenciados pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), os ka’apor têm buscado uma nova forma de organizar a saúde indígena, conciliando a medicina tradicional com a medicina dos “karaís” (não indígenas).

Nota:

[1] Os sete municípios são Araguanã, Centro do Guilherme, Centro Novo do Maranhão, Maranhãozinho, Nova Olinda do Maranhão, Santa Luzia do Paruá e Zé Doca.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait