BA: Protestos contra assassinato de criança

A- A A+

Um ônibus foi incendiado no dia 25 de janeiro em protesto contra o assassinato de Geovanna Nogueira da Paixão, de 11 anos, baleada na cabeça na porta de casa no bairro Jardim Santo Inácio, em Salvador (BA), na manhã de 24 de janeiro.

Horas depois do assassinato, cerca de 50 pessoas protestaram contra este crime bloqueando a Avenida Cardeal Brandão Villela, na entrada do bairro Jardim Santo Inácio. Os manifestantes revoltados exigiam justiça e acusavam a polícia de ser a responsável pela morte da criança. Cartazes estampavam frases como Queremos justiça, polícia mata criança e Queremos paz e vida e não morte.

Segundo os familiares, a morte de Geovanna ocorreu durante operação realizada por policiais militares da 48ª Companhia Independente (CIPM/Mata Escura) na comunidade conhecida como Paz e Vida. “Eu estava chegando e ela saiu na porta pra abrir o portão. Daí um carro preto se aproximou e policiais saíram atirando. Aí, ela foi baleada”, denunciou o avô Francisco Carlos Nogueira, de 66 anos, em entrevista a um órgão do monopólio de imprensa (G1). Geovanna chegou a ser socorrida e encaminhada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Santo Inácio, mas não resistiu aos ferimentos.

Dois dias depois do assassinato, o corpo de Geovanna foi enterrado na tarde de 26 de janeiro, no Cemitério Municipal de Paripe, Salvador, sob o clima de muita revolta e tristeza. Cartazes exigindo justiça foram levantados e palavras de ordem entoadas. “Não acabou. Tem que acabar. Eu quero o fim da Polícia Militar”, gritaram familiares, amigos e vizinhos de Geovanna.

“Eu quero que os policiais sintam remorso. A cena da minha filha morta ninguém vai tirar da minha cabeça. Infelizmente, nada vai trazer a vida dela de volta”, lamentou durante o enterro a mãe da vítima Maria Ângela em entrevista ao Correio da Bahia.

No mesmo dia do enterro, dois policiais militares envolvidos na operação entregaram as armas para serem periciadas pelo Departamento de Polícia Técnica e foram transferidos para trabalhos administrativos até a conclusão do Inquérito Policial Militar (IPM). O número total de PMs envolvidos na operação não foi divulgado.

Há quatro meses Geovanna havia se mudado para o bairro Jardim Santo Inácio para residir na casa dos avós junto com a mãe. “Eu catei até lixo para cuidar da minha filha, pra ver ela crescer. Agora eu perdi tudo”, desabafou o pai da vítima, Jorge Luiz Santos da Paixão, ao G1.

Ônibus foi incendiado em repúdio ao assassinato da jovem na Bahia

Geovanna foi baleada na cabeça quando corria para ver o avô

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait