Nicarágua: Revolta popular obriga governo a revogar reforma da Previdência

A- A A+

O povo da Nicarágua saiu em poderosos protestos em todo o país na segunda quinzena de abril e obrigou o presidente do velho Estado semicolonial, Daniel Ortega, a revogar a reforma da Previdência, no dia 23/04. Apesar de sanguinária repressão – que contou com a participação do Exército –, os manifestantes não recuaram. Ao menos 30 pessoas morreram, 120 foram presas e 50 foram feridas.

Os protestos ocorreram em mais de 84 municípios ou equivalentes por todo o país. O primeiro protesto ocorreu no dia 18 de abril e, depois desse, houveram mais quatro grandes protestos que envolveram milhares de massas.

No município de León, a 90 quilômetros da capital Maguana, a sede do INSS e outros edifícios do governo semicolonial também foram postos em chamas. Já na capital, as massas tentaram incendiar a sede de uma estação de rádio ligada ao velho Estado. Segundo relatos, em várias partes da cidade ouvia-se disparos e explosões. Vários painéis publicitários e monumentos governamentais foram incendiados em protestos massivos.

Em outros municípios também houve manifestações combativas. Em Masaya, uma multidão ergueu barricadas e saquearam supermercados. No município de Granada, manifestantes tentaram incendiar a prefeitura. Em todo o país, supermercados e outras grandes redes de comércio foram saqueados por multidões.

Para tentar manter o povo calado, o governo enviou tropas do Exército para a cidade de Estelí, localizada a 185 quilômetros de Managua, capital do país.

Atordoados pela violenta reação popular a seus intentos, os reacionários tentaram calar as massas por meio do massacre. Uma emissora de rádio no município de León foi incendiada e dois canais de televisão foram colocados fora do ar, segundo denúncias, em ações coordenadas pela repressão.

Um jovem estudante secundarista chamado Álvaro Conrado, de 15 anos, também foi executado pelas forças da repressão durante uma jornada de lutas estudantis nas universidades, em meio aos protestos contra a reforma da Previdência, no dia 20/04. Um jornalista chamado Ángel Eduardo Gahona também foi morto, ao vivo durante uma cobertura, mas não há informações sobre a autoria da execução.

A contrarreforma

Toda a rebelião voltou-se contra a tentativa do governo semicolonial de uma reforma na Previdência. A reforma pretendida por Ortega aumentaria o tempo de trabalho necessário para os trabalhadores se aposentarem. A proposta também reduziria em 5% o valor atual da pensão destinada aos aposentados.

Essa contrarreforma, tal como a que o governo semicolonial de Michel Temer pretende aplicar no Brasil, é parte de uma exigência do Banco Mundial e do imperialismo, principalmente o ianque. É uma necessidade dos monopólios leis trabalhista e previdenciária que permitam superexplorar mais o proletariado e o povo por mais tempo.

Protestos nas ruas de Managua. Foto: Jorge Torres

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait