França: Repressão ataca estudantes, mas não para a luta

A- A A+

Estudantes universitários que ocupavam o campus universitário de Tolbiac, em Paris, França, foram expulsos pelas forças de repressão policial no dia 20 de abril. Os estudantes ocupavam a universidade desde o dia 26 de março contra a reforma estudantil que vem sendo imposta pelo governo reacionário de Emmanuel Macron.

Em uma operação militar e de tipo terrorista, os policiais invadiram a universidade às 5 horas da manhã. Mais de 100 agentes policiais expulsaram dezenas de estudantes, não sem enfrentar resistência. Os jovens arremessadas pedras e garrafas de vidro contra os agentes.

 

Rebeliões em mais universidades

O campus universitário de Tolbiac não é o único palco de luta estudantil na França. Mais de seis universidades foram tomadas e mais de 20 foram bloqueadas pelos protestos estudantis. As mobilizações e lutas em geral afetam, ao todo, mais de 30 universidades francesas. 

Os campis universitários tomados ou agitados pelos estudantes são de renomadas universidades francesas. As instituições onde destacam-se a luta estudantil são a Universidade Paris 1, Universidade Paris 10, Universidade Paris 4, Universidade Paris 3, Universidade Paris 8, Universidade de Lille 2, Universidade de Lille 3, Universidade de Amiens e a Universidade de Rouen.

O campus de Saint-Denis (da Paris 3), por exemplo, está ocupado desde o dia 3 de abril, e conta com um alto nível de mobilização dos estudantes. Uma assembleia geral realizada no dia 11/04 reuniu quase 1 mil estudantes, que decidiram prosseguir a ocupação.

O campus de Saint-Charles (Universidade Paris 1), que acolhe estudantes de artes e cinema e outros cursos, está ocupado, e o campus universitário em Nanterre (Paris 10) reuniu ao menos 2 mil estudantes no dia 17 de abril, durante assembleia geral. O campus de Clignancourt (Paris 4), ocupado desde o dia 08/04, realizou também última assembleia geral com aproximadamente 700 estudantes, funcionários e professores.

Ante essa situação, a repressão assanha-se para desbaratar o movimento por meio da intimidação.

O histórico campus da Sorbonne (Universidade Paris 1), por exemplo, foi cercado pelas tropas policiais para evitar uma assembleia geral. A assembleia fora proibida pelo Estado imperialista francês.

 O objetivo da contrarreforma

A contrarreforma planejada e preparada pelo presidente Emmanuel Macron consiste em desmantelar um direito fundamental conquistado desde a revolução democrática francesa: o acesso universal. Com isso, o estudante não poderá mais acessar o ensino universitário. Macron pretende implantar o sistema de vestibular.

O projeto foi aprovado em votação no parlamento em dezembro de 2017 e tinha a previsão de entrar em vigor no início de abril.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait