Chile: Marcha classista e combativa enfrenta repressão no 1º de Maio

A- A A+

Milhares de trabalhadores, estudantes e ativistas tomaram as ruas da capital Santiago neste 1° de Maio e enfrentaram as forças de repressão do velho Estado.

A massiva manifestação do Dia Internacional dos Trabalhadores, convocada pela Central Classista dos Trabalhadores se iniciou às 11h no ponto de encontro entre a Avenida Brasil e a Alameda e seguiu na direção de Matucana, rumo à Universidade de Santiago.

Foram levantadas palavras de ordem contra a exploração e opressão dos trabalhadores da cidade e do campo e erguidas faixas em celebração ao 200º aniversário do nascimento do grande Karl Marx.

Faixas denunciaram também a prisão e perseguição política contra militantes, como os mapuche que tem travado dura luta pela retomada de seus territórios.

As forças de repressão iniciaram seus ataques contra a manifestação com bombas de gás e jatos de água por volta das 12h, sendo prontamente respondidas pelas massas que arremessaram pedras. Inúmeras barricadas em chamas foram erguidas pelas ruas da capital chilena e bancos também foram atacados pela justa revolta popular.

A manifestação da Central Classista dos Trabalhadores foi organizada em oposição à passeata da CUT (Central Única dos Trabalhadores do Chile), que ocorreu na Praça dos Heróis e serviu mais uma vez de palco eleitoral para partidos oportunistas.

Já na convocatória da marcha combativa, movimentos classistas independentes denunciavam: "a marcha convocada pela direção da CUT-CPC representa a marcha da traição, a marcha da conciliação com os patrões e seu antigo Estado, aquele que pisa sobre o sangue dos dirigentes sindicais assassinados sob Pinochet e governos que o serviram, continuando e aprofundando seu Plano de Trabalho a serviço dos empregadores. É preciso demarcar com o oportunismo, os falsos comunistas e os líderes corruptos que jantam com os principais líderes dos patrões, como o chamado "encontro histórico entre a Central Unitária de Trabalhadores (CUT) e a Confederação da Produção e Comércio (CPC)", ocorrido neste 10 de abril."

Nas ruas, pichações feitas pelos manifestantes com dizeres como A CUT não te defende, denunciaram o papel de conciliação de classes que a entidade vem cumprindo.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait