73 anos do Dia da Vitória

A- A A+

Repercutimos a seguir matéria publicada na edição de AND 149 em comemoração ao dia da Vitória soviética sobre a besta nazifascista.



70 anos da vitória soviética sobre o nazismo: 'A glória destes combates não se apagará jamais!'

Em 9 de Maio de 1945, a humanidade progressista celebrava a grandiosa vitória da União Soviética sobre a máquina de guerra mais reacionária que a História havia conhecido até então, o exército imperialista nazifascista do Terceiro Reich de Adolf Hitler.

Em quatro anos de heroica defesa da Pátria Internacionalista do Proletariado, 22 milhões de soviéticos (entre eles milhões de militantes do Partido Comunista da URSS) deram sua cota de sangue pela liberdade, seja nas trincheiras de combates ou nos ataques covardes e indiscriminados lançados pelas hordas nazistas contra a população civil. Sem dúvida — e isto até os historiadores burgueses reconhecem —, a batalha do povo soviético durante a 'Grande Guerra Patriótica', passando por Stalingrado e outros combates lendários, é o maior feito militar da história, façanha que só pôde ser alcançada por um povo amante da liberdade e que tinha como objetivo defender o primeiro Estado socialista que o mundo conheceu.

Justeza, estratégia militar e política, uma direção revolucionária, um povo disposto a pagar o preço da liberdade com a vida: estas foram as razões pelas quais, como diz uma das versões em espanhol do clássico Hino Guerrilheiro, "a glória destes combates não se apagará jamais!". A serpente foi esmagada em Berlim e, naquele 9 de Maio, há 70 anos, a bandeira que tremulava sobre o Reichstag alemão era vermelha com o martelo e a foice.

Pela ocasião, traduzimos para o português um texto que expressa bem o sentimento de vitória naquele Maio de 1945. O texto foi originalmente publicado na revista Literatura Internacional, uma publicação soviética em língua espanhola destinada a divulgar a arte em geral desenvolvida principalmente na URSS nos tempos da II Grande Guerra Imperialista. Há, nas edições da revista, inúmeros relatos de guerra, já que vários artistas, nas condições de membros do Partido Comunista da União Soviética, se alistaram nas tropas para combater a besta nazista e relatar as batalhas. Não sabemos a data da publicação, já que a encadernação que temos em mãos traz várias edições sem as capas.

"Terminou vitoriosamente a Grande Guerra Patriótica do povo soviético contra os usurpadores germano-fascistas! Chegou para nós a Festa da Vitória longamente esperada.

A vitória! Que doce e emotiva soa a grande palavra Vitória!

A capitulação incondicional das tropas alemãs, assinada em Berlim, desenhou a linha para fazer o resumo final da sangrenta aventura hitlerista.

No primeiro de maio, o grande Stalin chamou os combatentes soviéticos a vencer os ocupantes alemães 'até que eles deixem de resistir'. Se levava a cabo o último assalto ao antro dos bandidos. Nos combates finais, o Exército Vermelho aplastou a fera fascista. Os alemães já não tinham onde manter-se: caiu Berlim, caiu Breslávia, caiu Dresden. Nenhum truque ajudou os aventureiros hitleristas. Os cabecilhas do bando de assassinos hitleristas se dispersavam como ratos, terminando seu sangrento reinado na Europa com a pantomima de uma mudança de roupa. Ao mando militar alemão não restava outra saída senão a de uma completa e incondicional capitulação.

Já não retumbam sobre Moscou as salvas que anunciavam as vitórias na frente. Hoje estão em silêncio os canhões. A vitória foi lograda. O inimigo está prostrado, depôs suas armas e se rendeu à graça dos vencedores.

Hoje o Exército Vermelho entrega ao povo soviético o mais grandioso triunfo da história.

Aceite-o, heróico povo soviético, você merece com honra e glória! Nele está seu constante trabalho de muitos anos, nele estão quatro anos de seus abnegados esforços e privações, nele está o fruto de sua dor, de sua temeridade, de sua valentia, nele está a amargura, a recompensa pela amargura das perdas e destruições. Tu conquistou esta vitória às custas de muitos trabalhos e muito sangue. Que alegria inunda teu coração! Nossa causa justa venceu!

Este dia passará para a história pelos séculos. Desde hoje, o 9 de maio se converterá para todas as gerações um dia de festa nacional: a Festa da Vitória.

E, no dia da maior felicidade, nosso pensamento se dirige até nosso glorioso Exército Vermelho. Com grande amor, sob a direção do partido de Lenin e Stalin, os homens soviéticos cuidaram de seu Exército Vermelho, a fortaleza de seu país natal, educaram seus filhos para ele, o sustentaram com seu pensamento, o armaram com as invencíveis idéias leninistas-stalinistas, forjaram para ele armas seguras, resistentes, infalíveis. De tudo foi digno o Exército Vermelho: do trabalho, das privações, de nosso amor e nossas esperanças! Durante quatro anos levou sobre si a carga principal na guerra contra o monstro hitlerista. Combateu até o último minuto. E tudo o que realizou o Exército Vermelho para sua Pátria, para os povos da terra, para a liberdade e a paz, ficará para sempre na agradecida memória da humanidade.

A invicta bandeira de Lenin flutuava sobre nosso Exército Vermelho nas batalhas. O invicto gênio de Stalin o conduziu e o fez chegar à vitória. Faltam palavras para expressar toda a profundidade do carinho, do agradecimento e da fidelidade do povo soviético ao seu grande chefe, ao capitão e primeiro trabalhador do país, ao salvador da Pátria, libertador dos povos: ao grande Stalin. O caminho até nossa felicidade foi trazido com seu claro pensamento, com sua vontade de ferro, com sua fé inspiradora nas forças do povo, com seu infinito amor à Pátria soviética. E hoje, como sempre, em todas as provas e alegrias, o povo soviético está formando uma só família, formando um só exército, repetindo, como o mais querido, o mais firme que há sobre a terra: 'Stalin é a vitória!'.

Nada pode se comparar com a festa atual do povo soviético. Porque temos vivido para este dia, esquecendo de nós. Para aniquilar o Estado hitlerista, o exército hitlerista, a ordem hitlerista, para lograr isto empreendeu uma campanha imortal o titânico exército da estrela vermelha. A glória e a valentia lhe acompanharam em suas proezas únicas. E o objetivo foi alcançado. A víbora germano-fascista está derrotada pela arma justiceira. A humanidade tomou para si uma lição grande e inolvidável: somente na amizade dos povos, na unidade de seus esforços, é possível o futuro desenvolvimento do mundo. Encontra-se sem fôlego o império hitlerista, derrubado pela potência soviética. Encontra-se em cinzas e poeira, em vilipêndio e vergonha. Ao encontro de novo dia de paz se alça o radiante povo-titã, povo-vencedor na luz da glória imortal e de sua potência invencível.

Nossa Festa da Vitória é a festa dos povos amantes da liberdade. Os povos do mundo sabem a quem devem a salvação da escravidão fascista.

Viva o País Soviético! Que floresça entre os povos do mundo, ele, que é o baluarte da independência e da liberdade!

Viva a grande vitória de Stalin!"

Foto da bandeira soviética sobre o Reichstag alemão

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait