AL: Camponeses resistem contra Operação de guerra em Rio Largo

AL: Camponeses resistem contra Operação de guerra em Rio Largo

Print Friendly, PDF & Email
Camponeses do Acampamento da Fazenda Várzea Grande ocupam a fazenda Várzea Grande desde o dia 27 de agosto

O velho Estado está realizando uma operação de guerra contra os camponeses do Acampamento da Fazenda Várzea Grande situado em Rio Largo (AL), buscando aterrorizá-los e intimida-los, realizando uma demarcação irregular. Um centro de operações da Polícia Militar foi instalado ao lado do acampamento.

Nos dias 8 e 9 de outubro, dois caminhões do exército reacionário e 800 policiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da PM realizaram treinamento na mata próximo ao acampamento. Segundo denúncias dos camponeses, organizados sob a bandeira vermelha da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) do Nordeste, enviadas a redação de AND foram ouvidos sons de gravações de gritos de pessoas torturadas e gritos de guerra dos militares, além dos sons de disparos e bombas lançadas. Um helicóptero das forças repressivas sobrevoou a área.

Ainda de acordo com os camponeses, a ação de intimidação das forças militares e policiais do velho Estado se deve ao fato da Usina Utinga Leão não ter respaldo político e jurídico para remover o acampamento.

Em área próxima ao Acampamento da Fazenda Várzea Grande entraram duas viaturas da polícia, ambulância e tratores, além de cortarem o sinal celular.

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) não se pronunciou, e na reunião ocorrida com os órgãos do velho Estado tiveram total liberdade de palavra os advogados da usina e o secretário de segurança.

Os camponeses denunciaram que qualquer crime praticado contra eles será de responsabilidade das gerências estadual e federal de Renan Filho e Michel Temer, respectivamente, ambos do PMDB.

COBERTURA DE AND SOBRE A LUTA CAMPONESA EM RIO LARGO

Velho Estado criminaliza luta em Rio Largo

Camponeses denunciam crimes do latifúndio em reunião

Corte popular iniciado

Camponeses tomam terra em Rio Largo

Camponeses denunciam ataques do latifúndio

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: