Alemanha: Revolucionários participam de manifestação e empreendem ações

Alemanha: Revolucionários participam de manifestação e empreendem ações

Print Friendly, PDF & Email


Revolucionários participam de protesto contra a invasão turca em Bremen, Alemanha

No 9 de novembro ocorreu uma manifestação na cidade de Bremen contra a intervenção turca no Norte da Síria. Em três lugares diferentes da cidade de Bremen, ativistas se reuniram para marchas, que depois se encontraram no centro da cidade. Uma delas aconteceu sob as palavras de ordem: internacionalismo e antifascismo!

Cerca de mil pessoas se reuniram em um dos protestos, que começou na estação Walle. De acordo com o portal revolucionário Dem Volke Dienen, já no início da marcha, grupos fascistas criaram confusão com os ativistas, e um manifestante curdo foi preso. Em outro acontecimento, um homem que passava com seu carro na faixa oposta à da marcha começou a buzinar incessantemente e, passando pela marcha, fez a saudação fascista turca dos “lobos cinzentos”.

Muitos participantes saíram diretamente da manifestação e atacaram o carro em que o fascista estava. O homem conseguiu escapar no último segundo, após a polícia reprimir a manifestação, e prender um ativista popular. 

Além disso, algumas pessoas com bandeiras do Chile participaram do ato político e se solidarizaram com o povo chileno e sua resistência. 


Alemães prestam solidariedade à rebelião popular no Chile

As manifestações contaram com a presença de revolucionários proletários, que se solidarizaram com os povos oprimidos do mundo e carregaram faixas denunciando o imperialismo ianque.

Pichações em solidariedade à luta popular

Em dois bairros de Bremen (Tenever e Neustadt), apareceram pichações homenageando a Guerra Popular na Turquia com os dizeres: Só a guerra popular pode libertar o povo turco!, em turco e em alemão.

O portal Dem Volke Dienen divulgou, também, fotos de uma pichação na Universidade de Hamburgo com os dizeres: Honra e glória aos heróis do povo da América Latina!

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: