Atos nacionais exigem justiça para Marielle e rechaçam governo de Bolsonaro e dos generais

Atos nacionais exigem justiça para Marielle e rechaçam governo de Bolsonaro e dos generais

Print Friendly, PDF & Email

Concentração do ato no Rio de Janeiro. Foto: Victor Prat/A Nova Democracia

No último dia 5 de novembro, milhares de pessoas foram às ruas de todo o Brasil em manifestações contra o governo Bolsonaro – tutelado pelo Alto Comando das Forças Armadas – e exigindo respostas aos assassinatos políticos de Marielle Franco e Anderson Gomes. Os atos também criticaram a fala de Eduardo Bolsonaro sobre um “novo AI-5” (Ato Inconstitucional nº 5) e rechaçaram o regime militar fascista.

Em São Paulo, o ato foi convocado na avenida Paulista e, mesmo com chuva, contou com a participação de mais de 10 mil pessoas. Estudantes, professores, sindicalistas, trabalhadores em geral e militantes de organizações populares marcaram presença e se concentraram no Museu de Arte Moderna (MASP), de onde partiram em direção à sede do Ministério Público.


Divulgação da edição nº 228 do jornal A Nova Democracia durante ato no Rio de Janeiro. Foto: Victor Prat/A Nova Democracia

No Rio de Janeiro, a manifestação teve concentração na Candelária, centro da cidade, onde centenas de pessoas se reuniram. Apoiadores do jornal A Nova Democracia realizaram uma brigada e venderam dezenas de exemplares da nova edição (nº 228), que chega esta semana nas bancas.

No Recife, capital pernambucana, a concentração do ato ocorreu na escadaria da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco. Em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, a manifestação reuniu milhares na Esquina Democrática, na região central da cidade.

Já em Belo Horizonte, Minas Gerais, manifestantes realizaram uma performance artística denunciando as criminosas torturas praticadas pelos militares durante o regime militar e o macabro legado do AI-5. O ato aconteceu no centro da cidade.

Milhares se manifestam em São Paulo. Foto: José Eduardo Bernardes

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: