BA: Estudantes UFBA são detidos por divulgarem ato do dia 19 de junho

BA: Estudantes UFBA são detidos por divulgarem ato do dia 19 de junho

Print Friendly, PDF & Email

Estudantes foram detidos pela PM da Bahia por fazerem convocação para ato do dia 19 de junho. Foto: Reprodução

Dois estudantes da Universidade Federal da Bahia (UFBA) foram agredidos e detidos por policiais militares (PMs), no dia 16 de junho, após, supostamente, serem pegos colando cartazes na estação de metrô Rodoviária, em Salvador, na Bahia. Os cartazes convocavam o povo para o ato nacional do dia 19 contra o governo militar genocida de Bolsonaro.

Os policiais tentaram associar os dois a grupos ou facções criminosas para intimidá-los. Após recolherem a identidade dos dois jovens negros começaram a ridiculariza-los e disseram que eles estavam “acabados” após olharem suas fotos na identidades. Os estudantes contaram que levou cerca de uma hora para que eles fossem atendidos pelo delegado. Nesse intervalo relatam que viram outros detidos sendo tratados de maneira truculenta, sendo ridicularizados ou agredidos. 

“Fomos tratados com muita truculência por parte da Polícia Militar e isso reflete o nível de repressão e criminalização aos movimentos sociais que estamos vivendo. Com isso, pensaram que iriam nos amedrontar, mas muito pelo contrário, só reforça ainda mais a necessidade de lutar contra esse sistema capitalista e esse governo fascista do Bolsonaro. É preciso dizer que lutar não é crime!”, afirmou o estudante e integrante da equipe da revista O Sabiá, Ícaro Vergne.

Também durante essa espera foram intimidados pelos PMs por suas posições políticas. De acordo com os estudantes, os militares defendiam fervorosamente o presidente fascista Bolsonaro e permaneceram ridicularizados e ofendendo os jovens. Durante o tempo que passaram na delegacia, os estudantes também viram outros detidos sendo tratados de maneira truculenta, sendo ridicularizados ou agredidos.

Um inquérito foi aberto contra Matheus e Ícaro, sob a acusação de “dano ao patrimônio público”, considerado um crime de baixa letalidade.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: