BA: Tupinambás erguem barreiras sanitárias para prevenção de contágio e policiais tentam impedir

BA: Tupinambás erguem barreiras sanitárias para prevenção de contágio e policiais tentam impedir

Print Friendly, PDF & Email

No dia 20 de março, indígenas Tupinambás interditaram as estradas BA 668 e BA 669 que dão acesso ao seu território, a aldeia de Serra do Padeiro, localizada entre os municípios de Ilhéus, Buerarema e Una, no litoral sul da Bahia. A interdição foi feita para evitar o contágio pelo Covid-19.

A aldeia está situada no Território Indígena (TI) Tupinambá de Olivença que conta com 5 mil indígenas na TI e cerca de 2 mil nas áreas do entorno. No TI existem aldeias, casas, escolas, postos de saúde e roças. 

Cerca de 200 guerreiros foram deslocados para realizar a prevenção. A ação tem o objetivo de controlar a circulação dentro do território devido à inexistência de protocolo de proteção dos grupos tradicionais contra o Covid-19. Os indígenas alegam que antes de interditarem os acessos, buscaram auxílio de diversos órgãos do velho Estado, visando solicitar a realização de uma barreira sanitária em conjunto, porém não houve resposta.

A solução encontrada por eles, após a negligência do velho Estado, foi, em conjunto com líderes comunitários não indígenas das proximidades, criar barreiras de fiscalização. Em entrevista para ao portal Jornalistas Livres, os tupinambás afirmam que “a barreira não impede as pessoas de fazer feira, também aqueles que precisam pegar remédios para os idosos, o carro da saúde, o carro da Coelba, carros de entrega. Todos estão passando. Só não estão passando pessoas que vêm de fora”.

Omissão, intimidação e perseguição do velho Estado

Apesar de diversos documentos assinados pelo Ministério da Saúde, Fundação Nacional do Índio (Funai), Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesi) e até mesmo o Ministério da Justiça, recomendando que sejam adotadas medidas restritivas à entrada de pessoas em todos os territórios indígenas, em função do risco de transmissão do novo coronavírus, nenhuma ação foi tomada por parte destes.

No dia 30 de março agentes da Polícia Civil e Militar de Buerarema estiveram na barreira da BA 668 fortemente armados e tentaram intimidar os indígenas, ameaçando voltar com mais agentes para abrir a barreira mediante a força. Retornaram ainda dia 4 de abril afirmando ter ordens para saída imediata dos indígenas, mas estes resistiram. 

Os tupinambás denunciam também que estão sendo monitorados por drones e afirmam que caso o governo da Bahia atenda a solicitação encaminhada de implantação de “barreiras sanitárias” nas rodovias BR 668 e 669, eles sairão. Porém irão fazer valer os direitos de se protegerem dessa pandemia. 

Policiais intimidam Tupinambás que realizam intervenção em uma das estradas de acesso à aldeia para prevenção de contágio por Covid-19. Foto: Acervo Aldeia Serra do Padeiro.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: