Carnaval de Pixinguinha na Casa do Choro

Carnaval de Pixinguinha na Casa do Choro

Print Friendly, PDF & Email

Hoje, 13/02, e quinta-feira, 14/02, às 19h, acontece o Carnaval de Pixinguinha na Casa do Choro. “Os arranjos de Pixinguinha foram absolutamente decisivos na consolidação da música popular tal como conhecemos hoje. Pixinguinha deu formato à sonoridade do samba e da marchinha de carnaval, trazendo para os estúdios de gravação sua experiência como diretor de ranchos carnavalescos – agremiações precursoras das escolas de samba. Em dezenas arranjos para estrelas da música, como Francisco Alves, Mário Reis, Carmen Miranda ou Silvio Caldas, Pixinguinha desenvolveu uma assinatura inconfundível, trazendo a percussão dos morros para o centro da escuta, criando introduções e intermezzos que muitas vezes se tornavam mais famosas que os próprios temas, ilustrando musicalmente o que era cantado nas letras em uma coleção de sofisticados efeitos orquestrais. O Carnaval de Pixinguinha revive essa produção genial através de alguns dos arranjos originais, escritos pelo mestre e publicados em 2014 pelo Instituto Moreira Salles (guardião do Acervo Pixinguinha). No repertório, polcas, maxixes, tangos brasileiros, sambas e marchinhas de carnaval, que mostrarão como a verve de Pixinguinha segue viva e mais atual do que nunca em nossa música” apresentam os organizadores.

O evento conta com a participação da Orquestra do Rancho Flor de Sereno: (flauta – Tomaz Retz, clarinete – Lena Verani, sax alto – Rui Alvim e Denize Rodrigues, sax tenor – Pedro Paes, trompete – Aquiles Moraes, bombardino – Everson Moraes, tuba – Thiago Osório e Osmário Estevam, violão –Paula Borghi, cavaquinho – Jayme Vignoli, percussão – Marcus Thadeu, Magno Julio, Gabriel Leite e Oscar Bolão); e a participação especial de Nina Wirtti (voz) , Pedro Paulo Malta (voz) e Pedro Miranda (voz). A direção musical é de Paulo Aragão.

O endereço é: Rua da Carioca, 38, Centro, Rio de Janeiro/RJ. Ingressos: R$ 50 e R$ 25.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: