Cartunistas são ameaçados de censura e desafiam governo de Bolsonaro/generais

Cartunistas são ameaçados de censura e desafiam governo de Bolsonaro/generais

Print Friendly, PDF & Email

Cartunistas de todo o país se uniram para defender o cartunista Renato Aroeira e o jornalista Ricardo Noblat, que estão sendo alvos de um inquérito aberto a pedido do Ministro da Justiça, André Mendonça, após a publicação de uma charge de Bolsonaro próximo a uma suástica.

Os cartunistas estão reproduzindo a charge de Aroeira. A reação é uma resposta a ameaça de censura e perseguição por parte do governo Bolsonaro/generais a profissionais artistas e jornalistas que criticam o governo.

A charge original mostra uma cruz vermelha com as pontas pintadas de preto, formando uma suástica e Bolsonaro saindo do local com uma lata de tinta e um pincel na mão e dizendo a frase “Bora invadir outro?”. Na charge também está escrita a frase “crime continuado”.

O Ministro da Justiça ainda pediu que o jornalista Ricardo Noblat também fosse investigado por ter compartilhado a charge na internet. O ministro usou como base o artigo 26 da Lei de Segurança Nacional que diz: “Caluniar ou difamar o Presidente da República, o do Senado Federal, o da Câmara dos Deputados ou o do Supremo Tribunal Federal, imputando-lhes fato definido como crime ou fato ofensivo à reputação”. Lei da época do regime militar fascista que foi mantida mesmo após a “redemocratização”.

Além das republicações das charges foi divulgada no dia 16 de junho uma carta aberta em defesa da liberdade artística e ao direito ao humor, assinada pela Associação dos Cartunistas do Brasil, a Associação dos Quadrinhistas e Caricaturas do Estado de São Paulo, o Instituto Memorial das Artes Gráficas do Brasil e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo.

Num trecho da carta está escrito: “A função de toda boa charge é a de através do humor refletir e comentar por meio do desenho os acontecimentos de interesse do cidadão. A charge não é uma criação do nada, mas sim o termômetro do que o povo fala pelas ruas.”

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: