CE: Petroleiros anunciam greve contra privatização de refinaria pelo governo Lula

Operários da refinaria Lubnor, no Ceará, anunciaram greve para o dia 27 de junho contra a venda da refinaria.
Refinaria Lubnor. Foto: Divulgação
Refinaria Lubnor. Foto: Divulgação

CE: Petroleiros anunciam greve contra privatização de refinaria pelo governo Lula

Operários da refinaria Lubnor, no Ceará, anunciaram greve para o dia 27 de junho contra a venda da refinaria.
Print Friendly, PDF & Email

Operários da refinaria Lubnor, no Ceará, anunciaram greve para o dia 27 de junho contra a venda da refinaria. Ela foi autorizada no dia 21/06 pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), vinculada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública do reacionário e entreguista Flávio Dino. Petroleiros da Petrobras também realizarão manifestações pelo todo Brasil contra a entrega.

A refinaria tem mais de 500 trabalhadores, entre próprios e terceirizados, e produz asfalto, lubrificantes e óleos combustíveis marítimos. Assim, a refinaria é responsável por abastecer todos os estados do Nordeste, além de fornecer derivados para os estados do Amazonas, Amapá, Pará e Tocantins. A Lubnor também é responsável por cerca de 10% da produção de asfalto no país.

Uma série de ataques

A refinaria foi vendida à Grepar Participações, que realizou a compra por 34 milhões de dólares, denunciado enquanto entrega, uma vez que, além do ataque contra o setor estratégico de energia, ela foi vendida por 55% do preço estimado pelo Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep).

Além disso, a holding Grepar também opera na distribuição de derivados produzidos pela refinaria, tendo o controle da produção e da distribuição, criando as condições para a prática de preços abusivos contra os consumidores.

Houve, também, manifestação da prefeitura de Fortaleza contra a venda da refinaria, isso porque 30% do terreno no qual a refinaria se encontra pertence ao município, que afirmou não ter sido previamente avisado sobre a venda da unidade.

Operários se revoltam contra privatizações no governo Lula

Operários não aceitam a entrega das empresas estatais, que ameaçam seus empregos e direitos, além dos serviços prestados à população, com tendência de piorar o que já é precário, tudo em nome de mais superlucros. 

Em maio, metroviários da Trensurb, em Porto Alegre (RS), iniciaram uma greve contra a privatização do serviço de trens e os cortes de direitos, exigindo a retirada imediata da Transurb na lista de privatizações do governo Lula. O presidente do Sindimetrô-RS ainda realizou outras denúncias: “Já estamos no quinto mês do governo Luiz Inácio Lula da Silva e os gestores da Trensurb ainda são os mesmos indicados pelo Governo Jair Bolsonaro.”.

Já em Belo Horizonte (MG), o metrô ficou paralisado por mais de um mês, entre fevereiro e março deste ano, exigindo a revogação do leilão do metrô e contra o risco de demissões em massa para mais de 1,6 mil funcionários. As falsas promessas de Luiz Inácio também foram denunciadas pelo Sindimetrô-BH: “Se comprometeu com os metroviários de barrar a privatização da CBTU [Companhia Brasileira de Trens Urbanos], mas até agora não temos nada de concreto.”.

Governo quer entregar refinarias, portos e ferrovias

O ministro da Casa Civil, o reacionário Rui Costa, afirmou em 11 de janeiro que “não há dogmas” sobre a privatização do Porto de Santos, apontando para a venda do mesmo, durante evento no Palácio do Planalto. Ele declarou na ocasião: “A melhor modelagem de atrair investimentos privados. O termo, se é privatização, se é concessão, se é PPP, nós vamos identificar para cada projeto. O que interessa, ao fim e ao cabo, é atrair investimento público e privado para a infraestrutura do País.”.

No início de abril, foi anunciado o “Novo Marco das Parcerias Público Privadas (PPP’s)” pelo governo de Luiz Inácio, projeto do qual o ministro Fernando Haddad sempre foi entusiasta. O projeto serve para impulsionar a privatização velada dos serviços públicos nos municípios e estados, buscando atrair empresas privadas para assumir a administração de estradas, escolas, hospitais, tratamento de água e esgoto, entre outros serviços básicos.

Leia também: ‘Novo marco’ das PPP’s e a privatização na prática

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: