Chile: Mapuche realizam ações em apoio aos prisioneiros políticos do seu povo

Chile: Mapuche realizam ações em apoio aos prisioneiros políticos do seu povo

Print Friendly, PDF & Email


Povo Mapuche bloqueia estradas exigindo a libertação dos presos políticos Mapuche. Fonte: El Pueblo

As mobilizações em apoio aos presos políticos mapuche nas prisões de Angol, Temuco e Lebu, que estão em greve de fome, continuaram de forma intensa na última semana de julho. No caso dos presos da prisão de Angol, eles cumpriram 90 dias naquela semana e sua saúde se deteriorou consideravelmente. Foram realizadas inúmeras ações, como bloqueios nas estradas, ocupações, ayekanes (língua Mapuche), marchas e ataques em apoio às demandas dos presos políticos.

Na manhã do dia 27 de julho, foram registradas ocupações em prédios públicos em todos os municípios da província de Malleco, além do município de Temuco. Em Temuco, a repressão foi imediata, deixando um saldo de 12 detidos, dos quais 9 lamien e um peñi (ambos grupos pertencentes ao povo Mapuche) foram detidos e, no dia 28 de julho, eles passaram ao “controle de detenção”, ao qual os lamien não se apresentaram.


Mulheres Mapuche ocupam prédio público exigindo a libertação dos presos políticos Mapuche. Fonte: El Pueblo

Os municípios que atuaram na campanha são os de Ercilla, Victoria, Lonquimay, Collipulli, Traiguén, Galvarino, Curacautín. Que continuam sendo ocupados pelas famílias e comunidades dos prisioneiros de Peñi.

O Werkén [1] da comunidade Newen Ñuke Mapu, Ada Huentecol, destaca: “O fundamental aqui são as demandas de nossos irmãos que estão em greve de fome, eles estão em greve de fome há 85 dias, onde o Estado deveria fornecer uma solução para nossas demandas , em que a Convenção 169 da OIT, nos artigos 7,8,9, 10, não foi respeitada. Minha pergunta é por que um prisioneiro normal winka [2] tem privilégios? Tal como o que aconteceu com o assassino de Camilo Catrillanca [3].”

Essas mobilizações fazem parte da chamada para intensificar as ações de solidariedade. Também, uma grande marcha Mapuche-Huilliche (grupo étnico pertencente à cultura Mapuche) fora convocada para o dia 29 de julho, junto a várias ações em todo o país.


Povo Mapuche bloqueia estradas exigindo a libertação dos presos políticos Mapuche. Fonte: El Pueblo

[1] Werkén: autoridade tradicional do povo mapuche. Ele serve como conselheiro para o mundo ou lonco (cacique) e geralmente é o porta-voz de sua comunidade. Em outros tempos, eles tinham que memorizar longas mensagens para comunicá-las fielmente a outros loncos. 

 

[2] Winka: pessoas de raça branca

 

[3] Camilo Catrillanca: camponês Mapuche morto por policiais em 2018.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: