Comitê Sanitário em Belém: ‘É preciso levar ao povo a solução aos seus problemas’

Comitê Sanitário em Belém: ‘É preciso levar ao povo a solução aos seus problemas’

Print Friendly, PDF & Email

No dia 16 de maio foi realizada a primeira atividade do Comitê Sanitário de Defesa Popular de Belém que contou com a participação dos membros do Comitê de Apoio ao AND de Belém e colaboradores. 

A ideia surgiu a partir das criações e ações de diversos comitês sanitários pelo Brasil e, sendo o Pará o mais novo epicentro da pandemia da Covid-19, fez-se urgente o início de um trabalho de proteção, auxílio e incentivo à luta – não somente contra o atual governo de Bolsonaro/generais e sua omissão ao combate do vírus – mas a todo este velho Estado subserviente ao imperialismo, carcomido que se apresenta cada vez mais distante dos interesses do povo.

A atual crise sanitária ratifica a ineficácia do Sistema Único de Saúde (SUS) ante ao caos que expôs não somente os pacientes do novo coronavírus como aos que necessitam de outros tipos de atendimentos e procedimentos, mostrando que não podemos deixar de denunciar a farsa eleitoral, visto que em virtude à desilusão ao reformismo petista no que tange à política nacional, presidencialista, na dormência das lutas sindicais, na ascensão do fascismo, é necessário levar ao povo a solução para seu problema imediato e a propaganda para a solução definitiva: a Revolução.

Por causa deste novo panorama político-econômico, o mais novo Comitê Sanitário de Defesa Popular (CSDP) decidiu distribuir máscaras de proteção pessoal, além dos jornais da imprensa popular e democrática, na periferia do Telégrafo enquanto partida inicial de seu trabalho – que também está em campanha de arrecadação de doações de alimentos, pecúnia, vestimentas em bom estado de conservação, álcool em gel – para aqueles que neste momento estão impedidos de exercer seu trabalho informal, desempregados e debilitados possam vir a ter algum tipo de provimento para seus sustentos diante deste caos pandêmico que vive a humanidade, fruto da dominação imperialista. Estima-se, também, nas tarefas vindouras, a distribuição de folhetos informativos e cadastramentos ao auxílio emergencial para os que ainda não o fizeram por falta de acesso à tecnologia, informações e/ou quaisquer outros impedimentos.

Sendo assim, resistimos, conforme nos foi ensinado pelo grande dirigente revolucionário proletário e timoneiro Mao Tsetung, de que a nossa posição é a do proletariado e das massas populares, que viver não consiste em respirar e sim em fazer, obstinados ao lema de ir do pequeno ao grande, do simples ao complexo tendo na prática o critério da verdade no que concerne a luta de classes.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: