Complexo do Alemão exclama: Witzel assassino e terrorista!

Complexo do Alemão exclama: Witzel assassino e terrorista!

Print Friendly, PDF & Email

Foto: Ellan Lustosa/A Nova Democracia

Moradores do Complexo do Alemão, na zona norte no Rio de Janeiro, realizaram mais um ato contra a política genocida de Wilson Witzel e exigindo justiça ao covarde assassinato de Ágatha Felix, que completou uma semana. O protesto, que ocorreu no dia 27 de setembro, contou com a presença de mais de 800 pessoas, dentre estudantes das escolas da região, professores, mototatixstas, movimentos populares e familiares de Ágatha, que caminharam da Grota até a Fazendinha, onde a menina foi alvejada com um tiro de fuzil por um policial militar da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), segundo confirmam as testemunhas. 

Leia também: RJ: Moradores do Complexo do Alemão realizam protesto em velório de Ágatha Félix

Os moradores ergueram uma faixa que dizia: O governo que ataca a educação é o mesmo que mata nas favelas!, e denunciaram as ostensivas operações policiais na região que atrapalham e aterrorizam a população do Complexo, sobretudo os estudantes e os trabalhadores. 

Foto: Ellan Lustosa/A Nova Democracia

As crianças e outros manifestantes ergueram cartazes com os dizeres Justiça para ÁgathaWitzel assassino e terrorista!, e gritaram: Chega de chacina polícia assassina!, Fora “caveirão”! Queremos mais dinheiro para saúde e educação!, e Contra o genocídio do povo das favelas, nenhum passo atrás. Os manifestantes ainda fizeram um jogral exigindo que o “caveirão”, que ocupa a localidade das ‘Casinhas’, fosse imediatamente retirado.

Leia também: RJ: Movimentos populares protestam em repúdio ao assassinato de Ágatha Félix pela PM

Ao chegarem na Fazendinha para prestarem e homenagearem Ágatha Félix, os manifestantes se depararam com cerca de 16 policiais militares da UPP da Fazendinha fortemente armados e que debocharam e intimidaram familiares de Ágatha e os manifestantes presentes. No encerramento do ato, o avô de Ágatha, Aílton Félix, protestou contra a política de guerra ao povo levada a cabo pelo governo e lamentou a morte da neta, vítima da polícia do governo. Ao final, todos gritaram: Cadeia já! Cadeira já! Para os assassinos da Polícia Militar!

Foto: Ellan Lustosa/A Nova Democracia

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: