Contra o NEM, a militarização das escolas e a EaD: ExNEPe lança novo Plano de Lutas

Contra o NEM, a militarização das escolas e a EaD: ExNEPe lança novo Plano de Lutas

Print Friendly, PDF & Email

A Executiva Nacional dos Estudantes de Pedagogia (ExNEPe) realizou, nos dias 14, 15 e 16 de julho, o 25° Fórum Nacional dos Estudantes de Pedagogia (FoNEPe), sediado na cidade de Dourados, Mato Grosso do Sul. O encontro reuniu centenas de estudantes de todo o País para discutir e planejar a luta em defesa de uma educação pública, gratuita, de qualidade e a serviço do povo. Ao final do evento, a entidade estudantil definiu um Plano de Lutas e moções em defesa dos direitos estudantis. 

O encontro serviu como um importante polo de concentração dos estudantes contra os mais graves ataques à educação na atual situação. A militarização das escolas, o Novo Ensino Médio e a BNC Formação foram temas centrais de discussão e rechaço dos estudantes, que se comprometeram a elevar a luta contra as medidas.


Como resultado, os dias 24 de agosto e 19 de setembro foram elencados como dias nacionais de luta contra o NEM. Os estudantes também se comprometeram a elevar a luta contra a desmilitarização completa das escolas e contra a presença policial nas escolas, como forma de defender o direito à livre associação, reunião e manifestação. 

A entidade se comprometeu ainda a organizar encontros estaduais, a realizar o Dia Nacional de Lutas da Pedagogia no dia 23 de novembro, a impulsionar projetos de extensão a serviço do povo, sobretudo em atividades de reforço escolar, apoio pedagógico, lazer e cultura e outras atividades em defesa dos direitos dos estudantes, professores e das massas em geral. 

Contra o NEM, a militarização das escolas e a EaD

Ao fim do encontro, a entidade publicou ainda moções contra os diversos ataques à Educação e o direito dos estudantes e professores, dentre eles o NEM, a militarização das escolas e presença policial nas instituições de ensino e a implementação do EaD nas universidades. 

Na primeira moção, os estudantes denunciaram a implementação antidemocrática do NEM e classificaram a reforma como contrária aos interesses dos estudantes e professores, denunciando ainda os prejuízos da medida à formação científica dos estudantes, ao trabalho docente e à permanência estudantil. Eles afirmam que a medida é alinhada aos interesses dos monopólios da educação e convocam todos os educadores a somarem-se na luta ativa por uma educação a serviço do desenvolvimento do povo e do País. 

Sobre a militarização das escolas e presença policial nas escolas e universidades, a entidade afirmou que se trata de uma ofensiva desencadeada desde as ocupações secundaristas de 2015–2016, sobretudo pelo então governador de São Paulo e atual vice-presidente, Geraldo Alckmin, e que se trata de um projeto voltado a perseguição e vigilância de estudantes, professores e funcionários. 

O que naqueles idos tomou forma sobretudo na criação de escolas cívico-militares, hoje, segundo o documento, ocorre na militarização e presença direta de policiais nas escolas, desencadeada principalmente após os ataques promovidos pela extrema-direita em diversas escolas do País, usados agora como justificativa pelo velho Estado para o projeto reacionário. 

Por fim, os estudantes denunciam a implementação em andamento da Educação à Distância nas Instituições de Ensino Superior públicas, principalmente por meio das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC). A implementação é, segundo o documento, a privatização completa dos cursos e a sua entrega aos grandes monopólios privados, seja da educação ou da tecnologia. 

Contra todas essas medidas, os estudantes convocam a luta e organização ativa de estudantes, educadores e demais profissionais da educação, bem como a ligação dessas mobilizações às lutas das demais categorias e setores das massas populares, tendente à unificação entre estudantes e demais trabalhadores. 

O documento na íntegra e as fotos do evento podem ser checadas no sítio da ExNEPe.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: