É lançado o livro ‘Encurralados na ponte’, de Paulo Roberto Ferreira

É lançado o livro ‘Encurralados na ponte’, de Paulo Roberto Ferreira

Print Friendly, PDF & Email

No fim do mês de maio foi lançado em Belém, pela Editora Paka-Tatu, a obra Encurralados na Ponte: O Massacre dos Garimpeiros de Serra Pelada, do jornalista Paulo Roberto Ferreira.

Paulo Roberto Ferreira é jornalista, tendo trabalhado na chamada imprensa alternativa, nos jornais Bandeira 3 e Resistência, ambos publicados na região Norte. Escreveu o livro A Censura no Pará: A Mordaça a Partir de 1964 e foi coautor de O Homem que Tentou Domar o Amazonas.

Em Encurralados na Ponte, Paulo Roberto relata o episódio ocorrido em 29 de dezembro de 1987, em que garimpeiros da Serra Pelada protestavam pela manutenção da exploração manual de ouro. Decidiram ocupar a Ponte Rodoferroviária sobre o Rio Tocantins, em Marabá-PA, para pressionar os governantes. Essa ponte faz a ligação da capital Belém com a região Sudeste e Sul do Pará, e é também sobre ela que passa o trem-de-ferro da Vale, que leva os minérios retirados no Projeto Grande Carajás até o Porto de Itaqui, no Maranhão.

Enquanto cerca de 300 garimpeiros ocupavam a ponte, lideranças se buscaram um acordo com as com “autoridades” municipais, estaduais e federais na Prefeitura de Marabá. Ainda durante as negociações, a Polícia Militar do estado do Pará cercou os manifestantes com um pesado aparato. Avançaram 300 policiais de um lado e 40 do outro, atirando sobre a massa, espancando os que caíam no chão e jogando os que tentavam correr no rio, de uma altura de mais de 20 metros. Após o massacre, veículos foram utilizados para sumir com os corpos.

Na época, Paulo Roberto Ferreira foi enviado pelo jornal O Liberal, de Belém, para cobrir o episódio. E agora, mais de trinta anos depois, decidiu voltar à região para entrevistar os sobreviventes e investigar a atual situação dos garimpeiros. 

Em seu livro, o autor busca contextualizar o episódio, analisando como a formação fundiária da região Sul e Sudeste do Pará está diretamente ligada ao latifúndio e suas relações com a mineração. Ainda, expõe como o regime militar manejou com o Garimpo da Serra Pelada para militarizar e controlar a região no período pós-guerrilha do Araguaia. 

Em entrevista ao jornal Diário do Pará, Paulo Roberto disse que “o texto resgata a memória da luta dos garimpeiros, conclama a sociedade à resistência e à participação social. O livro é uma denúncia viva dos conflitos gerados por um modelo de desenvolvimento e consumo que expropria os direitos da população local, afeta a cidade e o meio rural e não garante a sobrevivência das futuras gerações e do planeta”.

Interessados podem adquirir o livro diretamente com a Editora Paka-Tatu:

Loja virtual: www.editorapakatatu.com.br/livraria

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: