Em carta emitida na Aty Guasu, guarani kaiowá denunciam as práticas genocidas do governo brasileiro

Em carta emitida na Aty Guasu, guarani kaiowá denunciam as práticas genocidas do governo brasileiro

Print Friendly, PDF & Email


Acampamento Terra Livre. Foto: Fábio Nascimento

Mais de 300 lideranças indígenas de 23 aldeias se reuniram na Aty Guasu (Grande Assembleia), principal organização política e social do povo Guarani Kaiowá, durante os dias 26 a 30 de novembro e ao final emitiram uma carta na qual denunciam o genocídio, as perseguições, criminalização e assassinatos dos povos indígenas.

Durante o encontro que ocorreu na Terra Indígena Ñande Ru Marangatú, município de Antônio João (MS), os guarani kaiowá cobraram a demarcação definitiva de seus territórios tradicionais e exigiram que seus direitos sejam respeitados. Os líderes denunciaram com ênfase também a impunidade dos crimes cometidos contra os povos indígenas. 

No documento, eles saúdam a memória dos guerreiros que tombaram na luta pelos nossos direitos dos indígenas. Os indígenas ainda afirmam que assistem diariamente a falta de justiça e a impunidade para aqueles que promovem verdadeiros genocídios contra o povo. Eles denunciam ainda a criminalização, a perseguição e o assassinato das lideranças que lutam.

Apresentam também denúncias contra as políticas adotadas por órgãos como a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a crescente fascistização do velho Estado. “Percebemos que mesmo depois de mais 30 anos, a Funai continua nos abandonando e se posicionando contra nossos direitos constitucionais”.

“Desde muito tempo é denunciado para o mundo a situação difícil que vem passando nosso povo. Somos um dos povos mais numerosos do Brasil com os piores índices de acesso à direitos fundamentais. Todos os governos vêm negando nossos direitos à terra, saúde, educação, segurança, sustentabilidade e autonomia. Com muita tristeza vemos o atual governo piorando ainda mais aquilo que já era ruim”, afirmam os guarani kaiowá.

Eles concluem: “Foram séculos de lutas, com o sangue derramado de nossos guerreiros! Continuaremos até o fim com nossas lutas e fortalecendo ainda mais a nossa organização! A cada dia que passa conhecemos mais o desafio que teremos que enfrentar. A cada dia que passa mais forte estaremos, até alcançarmos a paz e o bem-estar de nosso povo conforme nossa cultura e nossa memória!”. E ainda: “Jamais desistiremos de nossa luta e estaremos cada dia mais fortes!”.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: