Execução de Marielle: Testemunhas foram expulsas do local pela PM

Execução de Marielle: Testemunhas foram expulsas do local pela PM

Print Friendly, PDF & Email

Testemunhas do assassinato da ativista e vereadora Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes foram expulsas do local do crime por policiais militares sem serem ouvidas. Essa informação e outras sobre o crime em si foram reveladas no dia 1º de abril.

Duas pessoas que estavam no bairro do Estácio durante a execução afirmaram ter visto apenas um carro no momento em que foram feitos os disparos, enquanto as investigações da polícia sugeriam que dois veículos haviam perseguido o veículo onde estava Marielle.

“Foi tudo muito rápido. O carro dela (Marielle) quase subiu a calçada. O veículo do assassino imprensou o carro branco. O homem que deu os tiros estava sentado no banco de trás e era negro. Eu vi o braço dele quando apontou a arma, que parecia ter silenciador”, relatou uma das testemunhas.

As testemunhas dão um outro rumo à investigação policial que capenga sem conseguir maiores esclarecimentos sobre a execução. Elas revelaram dados como horário e local exatos, detalhes da abordagem, rota de fuga dos criminosos, além de características do autor dos disparos. A versão de ambas testemunhas, que não se conheciam, é idêntica.

Perícia realizada em veículo onde Marielle Franco estava

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: