Falece a companheira Nalvinha: Crime do velho Estado contra a juventude camponesa

Falece a companheira Nalvinha: Crime do velho Estado contra a juventude camponesa

Print Friendly, PDF & Email

 

Maria Lucinalva da Silva

 

Na madrugada do dia 18 de julho de 2017 faleceu a camponesa lutadora do povo, Maria Lucinalva da Silva, mais conhecida como Nalvinha, de 22 anos.

Segundo uma nota da Liga dos Camponeses Pobres do Nordeste, Maria era dotada de boa saúde, porém uma tosse constante a fez ir ao médico, o mesmo afirmou se tratar de uma virose e receitou apenas uma dipirona! Dias depois, durante a sua caminhada na feira da cidade ela desmaiou e deu entrada no Hospital de Palmares, falecendo três dias após. Maria Lucinalva estava com o seu quadro de pneumonia agravado.

A nota prossegue denunciando que a morte de Maria é mais um dos crimes do Velho Estado através da ineficiência do seu serviço público de saúde. Ao passo que a gerência Temer concede acesso fácil as terras para os latifundiários e enche seus bolsos de dinheiro, hospitais e escolas públicas estão perdendo seu espaço, sendo todos sucateados.  

Lutadora das causas do povo!

Nalvinha sempre se mostrou altiva perante a luta contra o latifúndio e o oportunismo. Exemplo disso foi o seu papel destacado na luta pela conquista da Fazenda Riachão de Dentro. Resistiu junto às famílias camponesas contra os despejos ordenados pela “justiça” e participou do corte popular organizado pela LCP no ano de 2009.

Maria Lucinalva exerceu importante contribuição na fundação do Movimento Feminino Popular na Área Revolucionária José Ricardo ao lado da combatente Sandra Lima.

Companheira Nalvinha expressou durante sua vida total apoio a Revolução Agrária no Brasil, participando da passeata e da festa do Corte Popular da Área Revolucionária Renato Nathan (Méssias- AL) e do histórico V Congresso da Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e Sul da Bahia.

Nalvinha estará sempre na memória das lutas do povo!

Companheira Nalvinha presente na Luta!

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: