Fim do jogo? – Como a captura de soldados israelenses em Jabaliya pode mudar as regras do jogo em Gaza

O vídeo mostrava o que parecia ser um soldado israelense sendo puxado, claramente ferido - vivo ou morto - sob um túnel por um combatente de aparência robusta em algum lugar, presumivelmente no norte de Gaza.

Fim do jogo? – Como a captura de soldados israelenses em Jabaliya pode mudar as regras do jogo em Gaza

O vídeo mostrava o que parecia ser um soldado israelense sendo puxado, claramente ferido - vivo ou morto - sob um túnel por um combatente de aparência robusta em algum lugar, presumivelmente no norte de Gaza.
Print Friendly, PDF & Email

Reproduzimos abaixo uma reportagem da jornalista Noor Alyacoubi publicada no portal Palestine Chronicle, cujo Editor-chefe é o conselheiro editorial de AND, Ramzy Baroud. O Palestine Chronicle é um portal online dedicado à cobertura jornalística dos eventos na Palestina. Ramzy Baroud foi entrevistado pelo AND no programa A Propósito, na edição que pode ser conferida aqui.

Assim que Abu Obeida, o porta-voz militar das Brigadas Al-Qassam, o braço armado do Hamas, declarou a captura de soldados israelenses pouco depois da meia-noite de domingo, uma nova variável foi introduzida no complexo cenário de Gaza.

E, quase que instantaneamente, a história começou a se repetir: Os palestinos comemoraram em massa e os militares israelenses imediatamente negaram tais alegações.

A julgar pela história, não temos motivos para acreditar que Abu Obeida não estava dizendo a verdade. Todas as declarações que o combatente palestino mascarado fez desde o início da guerra provaram ser precisas, muitas vezes com provas contundentes de sua precisão.

Os israelenses, por outro lado, não têm esse mesmo histórico.

Poucos analistas militares, por exemplo, argumentariam que Israel está dizendo a verdade sobre o número real de suas baixas militares em Gaza. Na verdade, o escândalo dos números tem sido parte da confusa guerra de informações israelense desde 7 de outubro.

Às vezes, Israel declarava um determinado número de baixas e, sem explicação, reduzia esse número significativamente. Além disso, os números produzidos por hospitais israelenses e fontes médicas – muitas vezes comunicados pelo Haaretz e por outras mídias israelenses – pareciam totalmente inconsistentes com os números revelados por Daniel Hagari e outros porta-vozes militares israelenses.

As alegações palestinas, no entanto, sempre foram verificadas por meio de vídeos bem documentados, centenas deles agora, amplamente divulgados pela mídia digital, noticiários em todo o mundo e em todos os idiomas.

Até mesmo a última reivindicação de Abu Obeida foi verificada por um vídeo curto e uma imagem.

O vídeo mostrava o que parecia ser um soldado israelense sendo puxado, claramente ferido – vivo ou morto – sob um túnel por um combatente de aparência robusta em algum lugar, presumivelmente no norte de Gaza.

A imagem mostrava as armas, os coletes e os capacetes dos soldados israelenses. Os analistas militares acreditam que as armas exibidas na imagem eram armas tchecas, conhecidas como CZ Scorpion, que são frequentemente usadas por unidades especiais de elite do exército israelense.

Os analistas chegam ao ponto de identificar essa unidade específica como a Unidade de Comando Shayetet 13, que também poderia fazer parte do serviço de segurança Shin Bet.

Essa análise em particular não se baseia apenas no tipo de arma, mas também no código de cores dos uniformes dos soldados, especialmente das botas e meias, que geralmente não são afiliadas a uma unidade típica do exército israelense.

Isso nos diz que essa unidade especial pode ter sido, de fato, como afirma a Resistência, atraída para um túnel, acreditando que havia localizado uma pista importante sobre o paradeiro de prisioneiros israelenses.

Se essas alegações forem realmente verificadas, isso significa que a Resistência continua a ter uma inteligência superior mesmo 232 dias após o início da guerra israelense em Gaza.

A história parece estar se repetindo.

Naquele dia específico, 11 soldados israelenses foram mortos em batalhas em Gaza, de acordo com o porta-voz militar da época.

O mesmo combatente palestino mascarado, Abu Obeida, apareceu em uma declaração igualmente repentina logo após o amanhecer daquele mesmo dia, declarando que um soldado israelense chamado Shaul Aaron havia sido capturado na operação da Resistência.

Aaron foi capturado no bairro de Tuffah, no leste da Faixa de Gaza, a uma curta distância de Jabaliya, onde ocorreu a última operação.

Sua unidade também foi atraída para uma armadilha elaborada pela Resistência. A operação, de acordo com a Resistência, resultou na morte de 14 soldados israelenses, todos eliminados à distância zero.

No entanto, quase imediatamente, o exército israelense negou que tal evento tivesse ocorrido e, de acordo com o embaixador de Israel nas Nações Unidas, a captura de um soldado era um mero “boato”.

Depois de inicialmente se recusar a comentar o assunto, o porta-voz do exército israelense disse que o exército estava examinando as “alegações” antes de aceitar que um soldado israelense da Brigada Golani poderia ter desaparecido no bairro de Shejaiya. O porta-voz também sugeriu que Aaron pode ter sido morto, embora seu corpo nunca tenha sido encontrado.

Mais uma vez, a história está se repetindo. Mas o que torna essa operação específica muito mais importante é que ela aconteceu 232 dias após a mais violenta e destrutiva guerra israelense em Gaza, cujo principal objetivo era supostamente libertar quase 130 israelenses cativos atualmente em Gaza – além dos quatro originais, que estavam nas mãos do Al-Qassam, incluindo o próprio Aaron.

O último vídeo da Al-Qassam termina com a seguinte frase: “Isso é o que estamos autorizados a publicar. Mais por vir”. Obviamente, isso significa que mais vídeos serão divulgados para autenticar ainda mais a alegação original de Abu Obeida e, mais uma vez, forçar Israel a admitir que mais soldados foram de fato capturados.

Não é preciso dizer que, considerando o contexto dessa guerra em particular, a captura de mais soldados israelenses – que supostamente foram enviados para libertar outros soldados israelenses – acabaria com a ilusão que muitos israelenses continuam a alimentar, de que derrotar o Hamas é possível e que a libertação dos prisioneiros ocorrerá pelo cano de uma arma.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: