França: Doação bilionária a Notre-Dame impulsiona 23º protesto dos ‘coletes amarelos’

França: Doação bilionária a Notre-Dame impulsiona 23º protesto dos ‘coletes amarelos’

Print Friendly, PDF & Email

No último sábado, dia 20 de abril, a França foi sacudida por nova rebelião popular durante o 23º protesto dos “coletes amarelos”. Desta vez, o motivo das manifestações foi a doação bilionária para reconstrução da igreja de Notre-Dame enquanto os trabalhadores franceses padecem com a crise que atinge o país.

Milhares de pessoas foram às ruas de Paris e em diversas partes da França com cartazes com as seguintes frases: Milhões para Notre-Dame, e para nós, os pobres?’, Tudo para Notre-Dame, nada para os miseráveis’ e Somos todas as catedrais’.

Temendo a revolta das massas, as “autoridades” do Estado francês mobilizaram um grande destacamento policial. Algumas fontes apontam que 60 mil policiais foram convocados, sendo 5 mil deles na capital. Como em protestos anteriores, os agentes de repressão atacaram os manifestantes. Estes, por sua vez, responderam lançando pedras e incendiando motocicletas, principalmente na Place de la Republique e na Boulevard Richard Lenoir. 

Ao todo, 227 manifestantes foram presos, incluindo menores de idade, segundo informações veiculadas no monopólio da imprensa. Além de Paris, outras manifestações foram realizadas em Toulouse, Montpellier e Bordeaux.

O caminho da luta

Na atual edição impressa (nº 222) do jornal A Nova Democracia, foi publicado o artigo ‘Coletes amarelos’: As massas querem um novo caminho’, de Jailson de Souza, que apontou:

“[…] O início da explosão espontânea de operários, trabalhadores, profissionais liberais, estudantes e pequenos proprietários foi o aumento de imposto que elevou o preço dos combustíveis, medida anunciada pelo governo Macron. A medida propiciava diretamente uma alta geral dos preços de praticamente todas as mercadorias, uma vez que o combustível é necessário para escoar boa parte da produção industrial e agrícola.

Como analisou o Partido Comunista Maoista da França (PCmF) – que tem dirigido parte dessas massas e apontado o caminho da Revolução Socialista, uma república proletária a ser conquistada com guerra popular –, ‘os ‘coletes amarelos’ representam um retorno brutal e triunfante da luta de classes nas vidas diárias dos burgueses. Hoje, eles se veem obrigados a dizer que ‘a República está ameaçada’. Sim, eles não estão errados! Essa República burguesa não nos pertence e pode morrer sem nenhum constrangimento. Desde a Comuna, sabemos que esta República assassina o povo quando ele se levanta, que é uma ferramenta da classe dominante e parasitária’.”

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: