França: Greve geral contra a “reforma da Previdência” atinge uma semana com manifestações

França: Greve geral contra a “reforma da Previdência” atinge uma semana com manifestações

Print Friendly, PDF & Email

Massas se rebelam durante protesto contra a reforma da Previdência na França. Foto: AFP

A greve geral de tempo indefinido contra a reforma da Previdência atingiu uma semana de protestos massivos por toda a França em 11 de dezembro. Esse dia foi marcado por grandes enfrentamentos entre manifestantes e a polícia.

Na ocasião, ocorreram confrontos em cidades como Bordeaux, Lyon, Nantes, entre outras. Também, à frente de diversas escolas de ensino médio, estudantes que se dirigiam às manifestações enfrentaram os agentes da repressão e, na cidade de Cavaillon, a juventude combatente ateou fogo à dois camburões, e policiais foram apedrejados.

Leia também: Povo francês faz grande greve geral contra a “reforma da Previdência”

No dia 10, 339 mil pessoas participaram das manifestações da greve, entre operários, funcionários do sistema de saúde, estudantes, bombeiros e manifestantes do movimento “Coletes Amarelos”, refletindo o amplo nível de insatisfação com as políticas neoliberais de Emmanuel Macron, que aprofundam a exploração do povo francês. Trabalhadores grevistas bloquearam sete das oito refinarias de petróleo da França e o transporte público na capital permaneceu quase parado.

Além disso, já foram marcados mais protestos nos dias 12 e 17 de dezembro.

Governo de Macron cede devido aos protestos populares

Diante dos massivos protestos, o governo de Macron foi obrigado a fazer concessões, mudando a aplicação das medidas para os nascidos após 1975, e não 1963, como acordado anteriormente.

“Decidimos não mudar nada para aqueles que já contribuíram para sua aposentadoria há pelo menos 17 anos, o que significa para aqueles sob o regime geral de aposentadoria – aqueles nascidos antes de 1975 e que terão mais de 50 anos em 2025”, acrescentou o primeiro-ministro da frança, Édouard Philippe sobre o novo plano da reforma previdenciária, na tentativa de apaziguar a revolta do povo.

Os protestos de dezembro de 2019 são os maiores desde que Macron chegou ao poder em 2017, prometendo cortar gastos públicos e tornar a economia “mais competitiva”.

Juventude revolucionária se faz presente nas manifestações

A organização Jeunnes Révolutionnaires (Jovens Revolucionários), da França, tem feito uma grande campanha de agitação e propaganda pela greve geral de tempo indeterminado contra a reforma da previdência, assim como esteve presentes em blocos vermelhos e combativos, dando um caráter revolucionário às manifestações.

Bloco dos Jovens Revolucionários em uma manifestação da Greve Geral no dia 10

Jovens Revolucionários fazem propaganda e agitação com o jornal popular Cause du Peuple

Panfleto distribuído pela Jeunnes Révolutionnaires

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: