França: Manifestantes tomam as ruas de Paris após desfile militar

França: Manifestantes tomam as ruas de Paris após desfile militar

Print Friendly, PDF & Email

Evento celebrava a Queda da Bastilha, marco da revolução burguesa

Através de barricadas, latas de lixo queimadas e enfrentamento contra a polícia, cerca de 200 manifestantes “coletes amarelos” bloquearam a importante avenida Champs-Élysées, em Paris, após o tradicional desfile militar de 14 de julho que relembra a Queda da Bastilha, em 1789. 

Estiveram presentes na mesma avenida, pouco tempo antes, o próprio chefe do imperialismo francês, Emmanuel Macron, o chefe do Estado-Maior do Exército francês e outras “autoridades” de alto coturno. O desfile militar estendeu-se também pelos céus, com voos da Força Aérea francesa. Apesar do elevado número de agentes de repressão mobilizados, os manifestantes não se intimidaram e tomaram a iniciativa.

Para conter o protesto, os policiais o atacaram com bombas de gás lacrimogêneo e, segundo fontes policiais, 152 ativistas foram presos, sob a acusação de “organização de manifestação não declarada”, “desacato à autoridade”, “degradação de bens públicos” e “porte ilegal de arma”.

O Partido Comunista maoista da França (PCmF) tem dirigido parte dessas massas em luta, indicando o caminho da guerra popular e da Revolução Socialista como caminho justo e necessário ao povo.

“Aqui estamos diante de uma época de tempestades que sacodem as fundações do velho mundo. A era de negação e do espetáculo político acabou: hoje, devemos erguer e carregar a bandeira vermelha para elevar a ofensiva revolucionária”, afirmou o Partido em pronunciamento intitulado “Coletes amarelos” – o fim da impotência, de janeiro de 2019.

Manifestantes entram em confronto com a polícia após a celebração da Queda da Bastilha. Foto: Kenzo Tribouillard/AFP

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: