GO: Após energia elétrica ser privatizada, instalações de lazer são cortadas e população sofre

GO: Após energia elétrica ser privatizada, instalações de lazer são cortadas e população sofre

Print Friendly, PDF & Email

No dia 30 de julho a multinacional italiana Enel, empresa que comprou a antiga Celg-D (Centrais Elétricas de Goiás – Distribuição) cortou a energia do Ginásio Rio Vermelho, do Estádio Olímpico e do Autodromo em Goiânia, pontos importantíssimos para o esporte e a cultura goiana. A empresa alega que o estado não pagou as faturas.

A Agência de Transportes e Obras (Agetop) afirmou que os pagamentos estavam em dia de acordo com os parâmetros pré-estabelecidos em contrato. A Secretaria da Fazenda de Goiás nem mesmo tomou conhecimento dos cortes. A situação só não está pior porque geradores de energia a diesel estão sendo usados para que se dê continuidade aos eventos programados nestes lugares.

A Enel também irá emplacar um aumento por volta de 15 % na tarifa de energia da população e um aumento de 25% para as indústrias, algo considerado absurdo e extremamente oneroso pela maioria absoluta do povo goiano.

Em março deste ano a Assembleia Legislativa do Estado de Goiás aprovou a isenção do pagamento de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para a Enel. Apesar disso, não se vê qualquer perspectiva de redução na conta de energia, pelo contrário, está cada vez mais cara.

A conta de energia também já não pode mais ser paga em casas lotéricas, comodidade esta que ajudava a população a se organizar entre a jornada exaustiva de trabalho e o pagamento de suas contas. A Enel sequer conseguiu chegar a um acordo com a Caixa Econômica, pois não queria deixar de lucrar um centavo sequer com a energia elétrica do estado.

O povo goiano sofre o gosto amargo da privatização da companhia elétrica: paga mais caro por uma qualidade pior em suas necessidades básicas, tamanho é o descompromisso do estado com sua população e subserviência ao grande capital.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: