Grécia: Artefato explosivo detona em frente ao prédio do Ministério do Trabalho

Grupo intitulado "Autodefesa da Classe Revolucionária" reivindicou ataque.

Grécia: Artefato explosivo detona em frente ao prédio do Ministério do Trabalho

Grupo intitulado "Autodefesa da Classe Revolucionária" reivindicou ataque.
Print Friendly, PDF & Email

Nota da Redação: Publicamos abaixo uma matéria publicada no portal de notícias O Arauto Vermelho (The Red Herald) sobre um atentado a bomba realizado em frente ao Ministério do Trabalho reivindicado pelo grupo “Autodefesa da Classe Revolucionária”. Ainda não há informações sobre os motivos do ataque, mas a Grécia está sob efeitos de uma forte crise econômica e manifestações explosivas tem ocorrido no país nos últimos anos. Segundo a reportagem, um ataque similar foi feito no final do ano passado contra a repressão policial no país.


O jornal Yeni Demokrasi noticiou neste sábado, 3 de fevereiro, que uma bomba explodiu em frente ao Ministério do Trabalho em Atenas, capital da Grécia. A explosão causou apenas danos materiais.

A bomba foi colocada em uma agência bancária abandonada, que fica no próprio Ministério. Às 00h49, hora local, o jornal Efimerida ton Syntakton, recebeu uma chamada informando que uma bomba explodiria dentro de 40 minutos em frente ao Ministério do Trabalho. Meia hora depois, à 1h29, a bomba explodiu. Não houve feridos ou mortos, apenas danos materiais, como nas janelas do Ministério e nos edifícios próximos.

Essa pessoa, durante a ligação, também afirmou que a bomba foi feita pelo grupo “Autodefesa da Classe Revolucionária” . A princípio, a polícia grega pensou que o objetivo do ataque era destruir o banco onde estava a bomba, mas o avanço das investigações apontou que a intenção final era provocar danos no prédio do governo. Por isso o saco com o explosivo foi deixados nos andares superiores, em frente ao Ministério. A própria polícia acredita que este ataque é um ataque simbólico, sem vítimas, dentro de um plano maior.

No passado mês de dezembro, o grupo “Justiça Proletária Armada” assumiu a responsabilidade por uma bomba descoberta na rua Kokkinopoulou, perto da sede central da polícia. Agora, a polícia tenta saber se as bombas e os grupos têm ligações. Da última vez, o grupo teria publicado um manifesto num site anarquista, no manifesto a bomba era dedicada a “todos aqueles que foram assassinados, torturados, espancados, violados pela polícia grega” e também garantem que irão repetir o ataque.

Com estes ataques noticiosos, a polícia teme uma “nova onda de terrorismo na Grécia” e o Ministro da Proteção ao Cidadão, Michalis Chrysochoidis, já disse que não vai permitir isso.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: