Grécia: Operação de guerra expulsa moradores de suas casas

Grécia: Operação de guerra expulsa moradores de suas casas

Print Friendly, PDF & Email

Polícia grega em Exarcheia, em abril de 2019, para despejar imigrantes das ocupações

Na manhã do dia 27 de agosto, em Atenas, o distrito de Exarcheia, famoso por diversas ocupações que abrigam imigrantes, sem-teto e ativistas ligados a movimentos sociais na Grécia, foi cercado por um enorme contingente de forças policiais que removeu pelo menos quatro ocupações. A repressão mobilizou ônibus anti-motim, polícia antiterrorista, camburões, membros da polícia secreta (asfalitas), bem como helicópteros e vários drones

As ocupações evacuadas foram Spirou Trikoupi 17, Transit, Rosa de Foc e Gare. 

O distrito é um dos poucos locais da Europa com alta concentração de ocupações e é também conhecido por sua resistência à repressão policial e solidariedade com imigrantes. No total, existem 23 ocupações em Exarcheia e outras 26 ao redor, sendo um total de 49 concentradas numa área relativamente pequena.

É muito comum que, durante as operações policiais de despejo de imigrantes e sem-tetos, muitos deles, assim como as crianças que vivem lá, sejam expulsos para viverem em campos de refugiados, albergues e outros locais superlotados, insalubres e sem estrutura, administrados pelo velho Estado grego.

Histórico de resistência

O distrito de Exarcheia ficou internacionalmente conhecido principalmente em dezembro de 2008 quando um estudante de 15 anos, Alexandros Grigoropoulos, morador do bairro, foi morto pela polícia. A morte do jovem desencadeou protestos combativos gigantes na cidade de Atenas, e Exarcheia, particularmente, virou um campo de batalha. A revolta da juventude foi tão grande que, enquanto o primeiro-ministro falava que “manteria a população a salvo dos protestos”, policiais eram combatidos por manifestantes do lado de fora do parlamento.

LEIA TAMBÉM: Grécia: um país em chamas

Após uma semana de protestos, a polícia grega havia usado mais mais de 4,6 mil bombas de gás lacrimogêneo, e necessitaram entrar em contato com Israel e Alemanha, pois o seu estoque havia acabado.

De acordo com o jornal The Guardian, nas ruas de Atenas naquele mês se viam jovens de até 12 anos de idade na linha de frente dos protestos, gritando: Policiais! Porcos! Assassinos!

Essa onda de protestos da juventude ficou conhecido como a “geração dos 700 euros”, pois, em meio a uma grave crise econômica grega que dura até hoje, essa era a perspectiva de salário para os jovens quando crescessem. Muitos pais se juntaram aos filhos apoiando os protestos, demonstrando a revolta de toda a população grega contra a crise econômica, as péssimas condições de trabalho, a corrupção dentro do velho Estado, a violência policial direcionada à juventude combatente e, principalmente, a vontade de superar um sistema caduco, falido e exploratório.

LEIA TAMBÉM: Suicídio dramático incendeia a Grécia

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: