Guiné-Bissau: Greve geral exige aumento salarial

Guiné-Bissau: Greve geral exige aumento salarial

Print Friendly, PDF & Email

Servidores públicos da Guiné-Bissau, na África Ocidental, entraram em greve geral de oito dias úteis a partir do dia 24 de julho. O objetivo é alcançar um reajuste salarial inicialmente rejeitado pelo primeiro-ministro do governo semicolonial, Aristides Gomes.

A greve é convocada por uma central sindical nacional e tem como previsão encerrar-se no dia 2 de agosto. O governo é acusado de abandono à política de valorização dos servidores, como a progressão nas carreiras, o pagamento de pensões, abono de famílias, tal como parou de dar assistência médica e medicamentosa. Os servidores exigem também que seja estabelecido um salário mínimo nacional, até hoje não existente no país.

Os funcionários públicos também rechaçam a atitude do Executivo do país que não pagou salários referentes ao ano de 2003.

Frente à mobilização popular, a resposta do governo é repressão e militarização. No dia 24, primeiro de greve, vários postos de trabalho dos grevistas amanheceram cercados por soldados do Exército e polícias locais.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: