Índia: Coletivo de intelectuais democratas condena assassinato de camponeses

Intelectuais indianos da Campanha Contra a Repressão do Estado (CASR) denunciaram o assassinato de três camponeses por policiais. Segundo eles, um falso cenário foi montado para justificar as execuções.

Índia: Coletivo de intelectuais democratas condena assassinato de camponeses

Intelectuais indianos da Campanha Contra a Repressão do Estado (CASR) denunciaram o assassinato de três camponeses por policiais. Segundo eles, um falso cenário foi montado para justificar as execuções.
Print Friendly, PDF & Email

Reproduzimos abaixo uma declaração da Campanha Contra a Repressão do Estado (CASR) recebida originalmente pelo jornal O Arauto Vermelho (The Red Herald). A declaração condena veementemente a prática de encenação de conflitos ou conflitos falsos promovida pelas forças de repressão do velho Estado indiano como forma de justificar o assassinato das massas como pretensos embates com militantes revolucionários.


Campanha Contra a Repressão do Estado (CASR) condena o falso conflito entre a polícia e três moradores pela polícia em Nendra, Chhattisgarh

24 de janeiro de 2024

Em 19 de janeiro de 2024, Madkam Soni, Punem Nangi de Nendra e Karam Kosa da aldeia de Gotum foram mortos pelas mãos das forças policiais em Chhattisgarh, entre as colinas onde as duas aldeias estão situadas. Os três estavam a caminho de um protesto na sua área quando foram interceptados pelas forças policiais e mortos. Houve uma tentativa de queimar os seus corpos, o que removeria todas as provas. Graças à rápida resposta de outros aldeões, a tentativa de queimar os corpos pela polícia foi frustrada. Embora a versão oficial seja que os três eram maoistas e foram mortos em fogo cruzado, o distrito de Bastar está repleto de centenas de incidentes de conflitos falsos em que os adivasis [nativos] da região foram mortos a tiro pela polícia por tentarem exercer seus direitos democráticos. Mais tarde, eles são chamados de naxalitas.

Há apenas três meses, em Tadmetla, Sukma, Sodhi Deva e Rawa Deva foram detidos numa delegacia da polícia depois de regressarem da casa da família para jantar e mais tarde foram arrastados para uma floresta próxima e mortos a tiro. Eles também foram considerados maoístas. Em 2019, centenas de membros da Guarda da Reserva Distrital (DRG) e da Força-Tarefa Especial dispararam contra um grupo de 70 jovens que organizavam um dia de atividades esportivas para as crianças locais e moradores mais velhos, matando 10, alegando serem maoístas, em Tadballa, na área de Abujmarh. Da mesma forma, cinco dias antes deste assassinato em massa, mulheres que colhiam folhas na floresta foram alvejadas por paramilitares, uma delas sendo morta e outra saindo ferida. A polícia foi então apanhada tentando vestir o corpo da mulher morta com um uniforme naxalita, numa tentativa desesperada de encobrir a sua brutalidade. Tais casos deverão aumentar este ano, com a expansão promovida pelo governo recém-eleito do Partido Bharatiya Janata (BJP) em Chhattisgarh da “Operação SAMADHAN-Prahar”, em curso, com a Operação Kagar, em Abujmarh, que eleva a proporção de habitantes locais e paramilitares para 7/3 em Abujmarh. As memórias do infame encontro de Amishpora também ainda estão frescas, onde três jovens da Caxemira foram mortos pelo exército indiano em 2020 e mais tarde foram chamados de “militantes” do movimento de libertação nacional da Caxemira. O próprio tribunal do Exército concluiu mais tarde que se tratava de um encotro falso, em 2023. Há apenas um mês, três homens da Caxemira foram assassinados pelo exército indiano depois de terem sido torturados e mutilados pelos soldados bárbaros, sob a suspeita infundada de estarem envolvidos no ataque a Poonch da Frente Popular Antifascista ao exército indiano. Na aldeia de Oting, distrito de Mon, em Nagaland, as “Forças Para-Especiais” do exército indiano abriram fogo contra os trabalhadores das minas de carvão da aldeia, sob a alegação de conduzirem uma operação de “contra-insurgência” contra as forças do movimento de libertação nacional Naga. Os mortos foram então jogados em um caminhão militar e o pessoal do exército foi pego por moradores tentando vestir uniformes do Conselho Nacional Socialista de Nagaland sobre eles. Em Assam, desde 2017, já ocorreram 50 casos registados de falsos conflitos sob o pretexto de restringir tanto o movimento de libertação nacional Naga como o movimento de libertação nacional de Assam. Em 2021, o ministro-chefe de Assam, Himanta Biswa Sarma, elogiou estes pretensos conflitos e até apelou à polícia para “não ter medo de tomar tais medidas!”

Quer se trate de pretenso combate ao maoísmo ou de restrição aos movimentos de libertação nacional em Caxemira, Nagaland ou Assam, o Estado indiano continua matando civis inocentes. Este ano começou com a morte de uma criança de 6 meses no distrito de Bijapur, onde o DRG bêbado disparou contra manifestantes, incluindo uma mãe que amamentava, cujo filho foi morto no tiroteio. Não seria surpreendente se também esta criança fosse mais tarde apelidada de maoista ou “separatista” pelo Estado indiano para justificar os seus crimes, com a chegada dos governos do Partido Bharatiya Janata (BJP) nestas áreas onde o estado indiano está travado uma guerra contra as pessoas.

A Campanha Contra a Repressão do Estado (CASR) opõe-se firmemente aos falsos conflitos e às execuções extrajudiciais cometidas pelo Estado e condena os assassinatos dos três aldeões em Nendra.

A CASR exige um inquérito judicial imediato sobre os falsos conflitos e o fim dos assassinatos em nome da redução dos maoístas ou dos movimentos de libertação nacional.

CAMPANHA CONTRA A REPRESSÃO DO ESTADO (CASR)

Constituintes: AIRSO, AISA, AISF, APCR, BASF, BSM, Exército Bhim, Bigul Mazdoor Dasta, bsCEM, CEM, CRPP, CTF, Disha, DISSC, DSU, DTF, Fórum Contra a Repressão Telangana, Fraternidade, IAPL, Rede de Inocência, Karnataka Janashakti, Associação de Advogados Progressistas, Mazdoor Adhikar Sangathan, Mazdoor Patrika, NAPM, NBS, Nishant Natya Manch, Nowruz, NTUI, People’s Watch, Rihai Manch, Samajwadi Janparishad, Smajwadi Lok Manch, Bahujan Samjavadi Manch, SFI, Unidos Contra o Ódio, Paz Unida Aliança, WSS, Y4S

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: