Índia: Greve geral paralisa o distrito de Malkangiri

Índia: Greve geral paralisa o distrito de Malkangiri

Print Friendly, PDF & Email

Uma greve geral (bandh) convocada pelo Partido Comunista da Índia (Maoista) paralisou completamente o distrito de Malkangiri, no estado de Orissa, em 20 de julho, segundo noticiou o blog Correo Vermelho. Nenhum incidente é relatado. O objetivo foi combater o chamado projeto de irrigação de “Polavaram”, em Andhra Pradesh, e a construção da ponte Gurupriya.

Os ônibus da Corporação de Transportes Rodoviários do estado de Orissa (CTREO) não circularam por razões de segurança, de acordo com uma nota da corporação. Outros veículos também foram impedidos de circular e atividades comerciais e educacionais foram temporariamente paralisadas. Somente a passagem de ambulâncias ou serviços de emergência foi autorizada.

De acordo com o blog Redspark, o projeto “Polavaram” acabaria com áreas de 15 a 20 aldeias de Motu tehsil e também danificaria a flora e a fauna da área. Em um comunicado, o secretário da Comissão Divisional das fronteiras Malkangiri-Koraput-Visakha afirmou que o projeto beneficiaria grandes capitalistas e companhias monopolistas multinacionais. “Convoco as pessoas que serão deslocadas a lutar de maneira unida contra a conspiração dos governos de Modi e Naveen para facilitar a entrada de empresas multinacionais. Ambos estão fazendo os pobres se deslocarem de sua terra natal em nome do investimento estrangeiro.”, escreveu ele.

Os maoístas colocaram centenas de cartazes nas aldeias RSC-10, Gunthabeda, Kurmanur e Dorabeda, sob os limites da sede da polícia de Chitrakonda e fizeram um chamado aos aldeões para protestar contra o projeto. Eles também colocaram cartazes pedindo aos moradores locais que se oponham à inauguração da ponte Gurupriya. Os revolucionários argumentaram que a ponte visa intensificar a operação “Caçada Verde”, entregando abundantes recursos minerais das montanhas da região às empresas estrangeiras e facilitando a exportação de bauxita.

Esta greve geral de sucesso foi amplamente aderida pelas massas populares e é um exemplo claro da rejeição do projeto “Polavaram” e da ponte Gurupriya no distrito.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: