Índia: Imperialismo alemão ajudará a combater maoistas

Índia: Imperialismo alemão ajudará a combater maoistas

Print Friendly, PDF & Email

Segundo informações do monopólio de imprensa, foi realizada uma reunião entre o Alto Escalão da República Federal Alemã e o regime indiano cujo tema foi reforçar a “cooperação internacional” para combater a Revolução Indiana e os movimentos armados no sudeste da Ásia.

Essa é a oitava reunião do grupo de trabalho conjunto Índia-Alemanha sobre combate ao “terrorismo” (termo que os imperialistas e reacionários usam para tentar manchar a imagem dos revolucionários e seus inimigos). A delegação indiana foi chefiada pela secretária conjunta de luta contra o terrorismo no Ministério das Relações Exteriores, Mahaveer Singhvi. Já a delegação alemã foi liderada pelo embaixador e diretor da “Organização das Nações Unidas” (ONU), Andreas Kunne.

Um comunicado conjunto divulgado após a reunião afirmou: “Ambos os lados condenaram o terrorismo em todas as suas formas e manifestações e enfatizaram a necessidade de fortalecer a cooperação internacional para combater a ameaça de maneira abrangente e sustentada”.

Os imperialistas e lacaios ainda discutiram como interromper redes, abrigos, infraestrutura, canais de financiamento e movimentação por fronteiras de grupos classificados por eles como “terroristas”.

A Índia passa hoje por uma guerra popular prolongada, uma luta armada levada a cabo por um Exército revolucionário composto por camponeses, povos tribais, estudantes do povo, operários e outros setores. 

O objetivo da Revolução Indiana, que é dirigida pelo Partido Comunista da Índia (Maoista), consiste, de imediato, em destruir a concentração de terras nas mãos dos latifundiários semifeudais e das mineradoras. Ao realizar isto, os revolucionários buscam destruir a dominação imperialista estrangeira sobre a economia nacional, aplacar a miséria no interior do país e abrir caminho para que a nação possa desenvolver. Ao mesmo tempo, os revolucionários também atacam os monopólios locais, que têm toda sua produção vinculada a esses latifúndios e ao imperialismo, e às transnacionais. 

Os ataques raivosos dos imperialistas alemães e outros à Revolução Indiana deve-se ao fato de que, em seus objetivos, os revolucionários confrontam-se diretamente com os interesses econômicos e políticos dos grandes burgueses desses países.

A guerra popular desenvolve-se desde 1967, iniciado pelo Levante Armado de Naxalbari, em Bengala Ocidental. Hoje, o Exército revolucionário tem atuação em pelo menos um terço do território, dentro do qual existem bases de apoio revolucionárias.

 Membros do EGPL, dirigido pelo Partido Comunista da Índia (Maoista). Foto: Reprodução.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: