Índia: Maoistas executam dois políticos reacionários

Índia: Maoistas executam dois políticos reacionários

Print Friendly, PDF & Email

Dois políticos do partido reacionário Telegu Desam Party (TDP) foram executados perto da aldeia de Lipittuputtu, há cerca de 15 quilômetros da fronteira dos estados de Andhra Pradesh e Orissa. A notícia foi veiculada pelo blog Dazibao Rojo, em 23 de setembro.

Cerca de 50 guerrilheiros maoistas, sobretudo mulheres, pararam um carro que conduzia o congressista Kidari Sarveswara Rao e o ex-parlamentar do distrito de Visakhaptnam, Siveri Soma. Os revolucionários renderam os seguranças, confiscaram suas armas e executaram os políticos.

A ação dos comunistas pôs os reacionários em temor. “Nós também acabamos de ouvir a notícia. Estamos em choque. A polícia e as autoridades estão no local e teremos mais clareza sobre o incidente em breve”, disse o parlamentar Rammohan Naidu, do TDP, após a repercussão da emboscada. Após o ocorrido, defensores do TDP atacaram duas delegacias, culpando os policiais por negligência.

A ação é uma resposta do PCI (Maoista) aos crimes cometidos contra o povo pelos políticos. Em julho deste ano, o ex-parlamentar Siveri Soma obteve permissão estatal para extrair bauxita na região, o que implica em remoções da população camponesa e tribal que ali vive. Há anos as massas estão lutando contra a mineração na região e em defesa de suas terras, e há alguns anos o PCI (Maoista) organiza essas massas.

Em outubro de 2015, por exemplo, os combatentes revolucionários – dirigidos pelos maoistas – prenderam os políticos M. Balaiah, M. Mahesh e V. Balaiah (todos dirigentes do TDP) para exigir a revogação da decisão do governo, na ocasião, que permitia o início da mineração de bauxita em uma determinada área da região.

A luta na região é tamanha que o próprio Ministro-chefe de Andhra Pradesh, Chandrababu Naidu, está sob proteção policial após ter sido alvo de um ataque com bombas em 2003, em Tirupati, empreendido por maoistas.

Essa é a primeira ação do tipo empreendida desde a emboscada contra um comboio do Congresso Nacional, em 25 de maio de 2013 – naquela ocasião, os revolucionários aniquilaram 27 políticos reacionários e funcionários.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: