Índia: Velho Estado prende dois ativistas de direitos democráicos

O velho Estado indiano está realizando uma ampla campanha de repressão contra ativistas de direitos democráticos no Estado de Uttar Pradesh.

Índia: Velho Estado prende dois ativistas de direitos democráicos

O velho Estado indiano está realizando uma ampla campanha de repressão contra ativistas de direitos democráticos no Estado de Uttar Pradesh.
Print Friendly, PDF & Email

Reproduzimos, abaixo, uma matéria do portal O Arauto Vermelho (The Red Herald) acerca de novas prisões contra ativistas democráticos na Índia.


O velho Estado indiano está realizando uma ampla campanha de repressão contra ativistas de direitos democráticos no Estado de Uttar Pradesh. Além dessas inúmeras prisões, em Rayagada, Odisha, Prafulla Samantara, conhecidos ativistas contra a exploração de minas e contra a destruição da natureza estão sendo sequestrados. Já noticiamos anteriormente sobre esse tipo de repressão contra ativistas dos direitos do povo.

O grupo de direitos civis Campanha Contra a Repressão de Estado (CASR) denunciou, em 6 de setembro, que o velho Estado indiano está realizando uma grande campanha repressiva em Uttar Pradesh. Essa campanha repressiva está sendo realizada pela Agência Nacional de Investigação (NIA). A NIA supostamente se dedica ao combate ao terrorismo. A realidade é que essa agência é bem conhecida pelos movimentos sociais, pelas massas e pelos ativistas dos direitos democráticos na Índia. A NIA acusou e prendeu vários ativistas envolvidos em lutas por direitos democráticos, lutas por moradia e trabalho, ambientalismo etc., sob a acusação de serem “maoístas”, “naxalitas” ou “extremistas de esquerda”

O CASR explica o que aconteceu nessa campanha repressiva: “Desde a manhã de 5 de setembro de 2023, a Agência Nacional de Investigação (NIA) tem invadido os escritórios da Bhagat Singh Students Morcha (BSM) na Universidade Hindu de Benaras. Simultaneamente, a NIA invadiu as casas da presidente estadual da União Popular pelas Liberdades Civis (PUCL), Seema Azad, de seu parceiro e advogado Vishwavijay, do advogado Soni Azad e do organizador de uma organização de trabalhadores Ritesh Vidyarthi, juntamente com o ativista político Manish Azad, em Allahabad”. O CASR também condena as ações realizadas pelo velho Estado indiano: “Sequestros, violência, confisco de propriedade e brutalidade policial tornaram-se práticas comuns das forças do Estado contra qualquer tipo de dissidência.”

Com relação ao ativista Prafulla Samantara, foi denunciado que ele foi sequestrado em 29 de agosto. Em seguida, ele foi libertado no mesmo dia. A mídia local e os jornalistas que estão investigando o caso apontam que os sequestradores eram a polícia do Estado de Odisha. Além disso, outras 23 pessoas que se opunham às atividades de mineração da Vedanta-Maitri Company no distrito de Rayagada foram presas. O ativista Prafulla Samantara foi sequestrado quando foi a uma coletiva de imprensa para denunciar a repressão contra o povo de Rayagada, que se opõe às explorações de mineração e às atividades de grandes empresas na área.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: