Irã: Trabalhadores do setor de petróleo estão em greve há mais de um mês; massas protestam contra falta de água e energia

Irã: Trabalhadores do setor de petróleo estão em greve há mais de um mês; massas protestam contra falta de água e energia

Print Friendly, PDF & Email

Manifestantes constroem barricadas em chamas no Irã durante protestos contra falta d’água e energia elétrica. Imagem: Reprodução/ RadioFreeEuropeRadioLiberty

As massas de trabalhadores e jovens iranianos têm empreendido diversas lutas no país entre o mês de junho e julho. Os trabalhadores do setor do petróleo estão em greve há mais de um mês, enquanto o povo se rebela nas ruas contra falta de água e energia na maior seca da história do país.

A vitoriosa greve dos trabalhadores do petróleo

A greve dos trabalhadores do petróleo do Irã atinge, atualmente, pelo menos 117 instalações de petróleo e gás, refinarias e plantas petroquímicas em 17 províncias, com entre 60 e 100 mil trabalhadores tomando parte nela.

A luta dos trabalhadores se dá devido às suas condições de trabalho: as refinarias começaram a ser terceirizadas a partir dos anos 90. Isso faz com que hoje em dia os trabalhadores empregados em várias funções sejam contratados de forma temporária. Quando um determinado trabalho é concluído, o empreiteiro pode não precisar mais deles e, portanto, ficam desempregados. 

Os trabalhadores exigem, nessa greve, medidas básicas como um aumento salarial e aumento do seu piso salarial; o pagamento imediato das dívidas e o compromisso de pagar todos os salários em dia; licença de dez dias para cada 20 dias trabalhados; a abolição de empreiteiros e agências de trabalho temporário; disponibilização de equipamentos de segurança em todos os locais de trabalho, bem como sistemas adequados de refrigeração, aquecimento e ar condicionado; a reintegração de todos os colegas demitidos; melhores padrões de saúde em dormitórios de trabalhadores e outros espaços, como banheiros, banheiros, etc.

As exigências se expandiram durante o curso da luta e passaram a incluir coisas como o fornecimento de alimentação adequada e instalações médicas nos locais de trabalho, bem como seguro saúde gratuito para todos os trabalhadores.

Massas e outros setores de trabalhadores protestam

No dia 26 de julho, manifestantes se manifestaram na capital do Irã, Teerã, contra a falta d’água e energia elétrica. As chuvas caíram em 50% no país, causando cortes na energia hidrelétrica. Estiveram presentes nas manifestações, particularmente, os trabalhadores do setor de eletrônicos, que não têm conseguido trabalhar por conta dos cortes.

Enfermeiras e funcionários do hospital Khomeini, em Karajn, no mesmo dia também protestaram exigindo atraso em seus pagamentos.

Na cidade de Izeh, província do Khuzistão, trabalhadores do setor da água e esgoto continuaram sua greve pelo terceiro dia consecutivo naquele dia após recusa da empresa responsável em pagar seus salários atrasados.

Os protestos foram feitos também com barricadas em chamas e bloqueios de ruas.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: