Israel avança em sua promessa terrorista de tomar terras palestinas na Cisjordânia

Israel avança em sua promessa terrorista de tomar terras palestinas na Cisjordânia

Print Friendly, PDF & Email

Obras em um assentamento ilegal em Givat Zeev, na Área C da Cisjordânia ocupada por Israel. Foto: Menahem Kahana/AFP

No dia 31 de julho, Israel anunciou a construção de mais de 6 mil casas destinadas a colonos israelenses na Cisjordânia, território palestino ocupado desde 1967. O Ministério das Relações Exteriores, em Ramallah (Cisjordânia) denunciou a decisão como “prova da mentalidade colonial obscura dos governantes de Israel, e que ignora todas as resoluções da ONU, a lei internacional e os acordos assinados”, segundo informe da agência do monopólio da imprensa, Reuters.

O governo do USA, atualmente sob a gerência de Donald Trump, aclamou o anúncio do avanço das colônias israelenses. O projeto criminoso de Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, é de anexar oficialmente à Israel, a longo prazo, os territórios hoje ocupados pelo Exército, como ele próprio afirmou em abril de 2019 e foi defendido pelo USA.

Leia também: USA defende anexação ilegal da Cisjordânia por Israel: ‘Ter botas no terreno não é contrário à paz

De acordo com documentos oficiais de Israel, há, hoje, 450 mil colonos e quase 300 mil palestinos morando na Área C da Cisjordânia, onde está a maior parte dos assentamentos ilegais construídos por Israel. No entanto, esses números pouco significam, pois as forças israelenses praticam há décadas uma política de limpeza étnica na região, como a prática comum de demolir e confiscar casas de famílias palestinas que se encontram tanto na Cisjordânia quanto em Jerusalém Oriental, levando ao deslocamento forçado dessa população.

No dia 19 de julho, por exemplo, começaram a ser derrubadas mais de dez casas palestinas que se encontravam em uma parte da Jerusalém Oriental, próxima a barreiras de forças militares israelenses, na fronteira com a Cisjordânia. Apesar de estar sob jurisdição da Autoridade Nacional Palestina (ANP), o território de Sur Baher, onde ficavam os 12 edifícios derrubados, foi tomado com os equipamentos de demolição e sua escolta, feita pelo Exército genocida de Israel, durante a madrugada.

Historicamente, essa política acaba por expulsar os palestinos e liberar as terras para que as colônias de Israel avancem sobre elas. Os moradores da faixa de terreno ao longo da barreira militar entre a Cisjordânia e Jerusalém Oriental temem que esse último caso de demolição de moradias palestinas abra o precedente para que o mesmo ocorra com eles.

Um dos prédios demolidos no fim de julho. Foto: Mussa Issa Qawasma/Agência Reuters

Foto: Ammar Awad/Reuters

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: