Latifúndio incendeia Amazônia e imperialismo se intromete

Latifúndio incendeia Amazônia e imperialismo se intromete

Print Friendly, PDF & Email


Incêndios promovidos por latifundiários desatou grande crise internacional. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters – 24.8.2019

Nos dias 10 e 11 de agosto foi promovido o “Dia do fogo”, uma ação política dos latifundiários que devastou produções dos camponeses e pequenos produtores e cobriu várias regiões do país com nuvens de fumaça. 

Segundo o jornal Folha do Progresso, do interior do Pará, o objetivo foi promover queimadas em vastas regiões do país de modo coordenado para destruir florestas e áreas de preservação, em apoio à política pró-latifundiária do presidente fascista Jair Bolsonaro. As queimadas tomaram áreas na região do Pará, em toda a região Amazônica e até mesmo no Centro-Oeste e na tríplice fronteira com a Bolívia e o Paraguai. É comum as queimadas serem utilizadas como estratégia de grilagem por latifundiários para aumentar a fronteira de suas propriedades sobre os parques, criando áreas de pastagem.

Em Rondônia, no dia 13 de agosto, o fogo das queimadas foi se alastrando ao longo da Linha TB-14 e atingiu dezenas de casas, incluindo o assentamento Galo Velho, no município de Machadinho do Oeste, forçando os moradores a abandonar suas casas com medo. Depois do fogo se extinguir, os camponeses retornaram ao local e encontraram, além de suas as casas e pertences destruídos, um casal que morreu abraçado e carbonizado.

Intromissão imperialista e interesses do latifúndio

Diante da repercussão internacional negativa, chefes de países imperialistas, como Emmanuel Macron, da França, sentiram-se encorajados a se intrometer nos assuntos internos do país e chegaram a ameaçar o governo do fascista Bolsonaro e dos generais com um boicote ao agronegócio, além da ameaça de barrar o acordo Mercosul-União Europeia devido aos incêndios. Chamando a Amazônia de “nossa casa”, o chefe do imperialismo francês, pintando-se de progressista e ambientalista, elevou o tom da disputa.

Tais países imperialistas da Europa se opõem à expansão do latifúndio brasileiro não por interesses nobres, mas por pretensões coloniais, de apoderar-se dos recursos naturais da Amazônia a médio e longo prazos. Além disso, alguns países imperialistas, como a França, não têm interesse nisso porque, com o acordo firmado pelos dois blocos, a produção do latifúndio brasileiro terá facilidade para entrar no mercado interno do velho continente. No caso francês especificamente, tal concorrência pode arruinar os subsidiados fazendeiros franceses – base social importante para a política interna francesa.

No Brasil, por sua vez, a divisão sobre o que fazer penetra inclusive nas fileiras do latifúndio. Uma parcela dos latifundiários pressiona o governo a avançar sobre a floresta para enriquecerem-se mais ainda às custas do atraso do povo e da Nação, enquanto que outros importantes representantes dessa classe se posicionaram contrariamente ao avanço, por medo das implicações negativas nas exportações. O governo também pretende avançar a mineração criminosa na região, favorecendo principalmente o USA, que ficou aparentemente neutro à polêmica internacional.

GLO na Amazônia

No dia 23, aproveitando-se e tentando dar uma resposta à pressão internacional, o governo de Bolsonaro e dos generais permitiu, via decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), o emprego de tropas das Forças Armadas e de outras forças federais para “combater o incêndio” em toda a região da Amazônia Legal.

Ao todo, as tropas federais estão atuando na região rural dos estados do Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima, Mato Grosso, Pará e Tocantins. O cenário de militarização da região também coloca em alerta aos camponeses pobres, especialmente aqueles em luta pela terra nos estados.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: