LCP lança Carta Aberta: ‘Luzivaldo é inocente! Luzivaldo é perseguido político!’

LCP lança Carta Aberta: ‘Luzivaldo é inocente! Luzivaldo é perseguido político!’

Print Friendly, PDF & Email

Reproduzimos na íntegra a nota publicada pela Comissão Nacional das Ligas de Camponeses Pobres (LCP) no último dia 5 de julho e enviada à Redação de AND nesta segunda-feira, dia 8. A nota original foi publicada na página do Jornal Resistência Camponesa.


Carta Aberta

Aos camponeses da Área São José da Boa Vista

Aos camponeses e ao povo de Campina Verde e Ituiutaba

No último dia 18 de junho de 2019, foi realizada no Fórum de Campina Verde uma audiência de conciliação da Vara de Conflitos Agrários. O Juiz desta Vara, Walter Zwicker Esbaille Júnior, convocou esta audiência no dia 20 de maio de 2019. Não foi possível alcançar a necessária conciliação pela postura intransigente dos advogados do latifundiário. O Ministério Público propôs que a liminar fosse suspensa, e que o processo seguisse até o julgamento do mérito. O juiz ainda vai decidir.

O companheiro Luzivaldo não estava presente. Luzivaldo é um dos principais coordenadores do movimento na Área. Enfrenta, junto com seu irmão Robélio, uma acusação de assassinato.

O Juiz da Vara de Conflitos Agrários reconheceu que na área estão camponeses trabalhadores e honestos, famílias, homens, mulheres e crianças que buscam um lugar ao sol. Quando visitou a área no dia 17 de junho de 2019, o magistrado foi bem recebido e viu as benfeitorias edificadas pelos camponeses com as próprias mãos (tudo sem receber nenhum tostão do estado).

Mas porque o Juiz pensaria o contrário? Porque talvez imaginasse encontrar bandidos, aproveitadores e oportunistas ao invés de camponeses trabalhadores e honestos?

Existe sim toda uma campanha de criminalização e demonização da luta pela terra. Afinal em 500 anos o país não conseguiu superar a condição semicolonial de exportador de minério, monocultura e gado; as terras públicas são griladas pelos latifundiários ladrões de terras; vivemos uma crise sem fim que se arrasta, e entra governo e sai governo e nada muda a não ser para pior.

Mas neste caso específico o próprio Juiz indicou de onde vinham seus temores. Vejam o que ele escreveu em 20 de maio de 2019:

Relevante trazer à colação o teor do Ofício nº 719/2018/MPMG/PJCV, datado de 06.12.2018 (ID 57766581), da lavra do Promotor de Justiça José Cícero Barbosa da Silva Júnior, da Comarca de Campina Verde/MG:

“A área objeto da ação de reintegração de posse em trâmite sob o número 6048675-55.2015.8.13.0024 tem gerado transtornos nesta comarca.

No último dia 25/11, ocorreu um homicídio doloso que vitimou um vizinho do assentamento montado na área invadida.

A suspeita da autoria recai sobre os próprios assentados que ocupam a área litigiosa.”

Eis a resposta! Quem criminalizou as famílias camponesas com este ofício foi o Promotor de Campina Verde José Cícero Barbosa da Silva Júnior! Vejam como ele se refere às famílias: “a suspeita da autoria recai sobre os próprios assentados…”. 

Como pode um promotor, antes do inquérito, atingir a honra dos “assentados” como suspeitos do assassinato em 25/11/2018 de Danilo Silva.

O Delegado de Campina Verde instaurou inquérito no dia 04 de dezembro de 2018.

Como no dia 06 de dezembro de 2018, 2 dias depois, o promotor já tinha suas conclusões?

Vejam o criminoso absurdo! Vejam a ordem de investigação do delegado. Vamos mostrar uma parte, a original está no processo:

Quando foi que o investigado passou de ser “a apurar” conforme digitou o delegado, para os nomes escritos a mão de Luzivaldo e Robélio?

É difícil imaginar as conclusões da investigação?

Não, no dia 18 de dezembro de 2018 o “investigador” Pedro A. Carlos apontou Luzivaldo e Robélio como culpados pelo assassinato de Danilo Silva, conhecido na região como “Branco”.

O inquérito apresenta suas conclusões no dia 18 de dezembro de 2018.

E o procurador já sabia do resultado desde o dia 06 de dezembro de 2018?

Toda essa trama foi para afastar Luzivaldo do Acampamento São José da Boa Vista, atacar as famílias honradas e trabalhadoras, semear a divisão e o medo, levar a cabo uma reintegração de posse injusta e cruel contra os camponeses de Campina Verde e Ituiutaba. Luzivaldo não é criminoso, é um perseguido político. Luzivaldo saiu da Bahia para o triângulo mineiro, trabalhou, trouxe uma parte dos 14 irmãos que estavam com destino incerto, ajuda e visita a mãe (em uma dessas visitas, foi acusado de estar foragido). Por conhecer as dificuldades da vida, não se abaixa, não rasteja, e por isso os “homens de bem” querem a sua cabeça. O que Luzivaldo está passando é o que o povo passa, perseguido por lutar por seus direitos e os de seus companheiros. Mas a verdade vencerá, e tudo vai ser colocado em pratos limpos! Os camponeses de Campina Verde e Ituiutaba vão conquistar a terra tão sonhada, e o Acampamento São José da Boa Vista vai enfim ser reconhecido.

Terra para quem nela vive e trabalha!

Viva o Acampamento São José da Boa Vista!

Viva os camponeses de Campina Verde e Ituiutaba!

Fim das perseguições e mentiras contra Luzivaldo!

Goiânia, 05 de julho de 2019

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: