Mais de 300 mil caminhoneiros em greve em todo o país

Mais de 300 mil caminhoneiros em greve em todo o país

Print Friendly, PDF & Email

Ato no Rio de Janeiro na segunda-feira (21), primeiro dia de protestos dos caminhoneiros. Tomaz Silva/Agência Brasil

Em protesto contra a alta no preço do diesel, a paralisação dos caminhoneiros, iniciada no dia 21 de maio, contou com a adesão de mais de 300 mil. A categoria bloqueou estradas por todo país.

Ao menos 24 estados registraram manifestações dois dias depois do início da greve. Durante o primeiro dia, 188 pontos sofreram paralisação no país: sete no norte, 38 no centro-oeste, 27 no nordeste, 55 no sul e 61 no sudeste, segundo dados da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA).

No dia 22, mais 100 mil aderiram à greve e realizaram manifestações em diversas cidades contra o aumento do preço do diesel, que têm tido altas consecutivas nas refinarias.

Cedendo às pressões, o preço da gasolina caiu 2,08% e o do diesel 1,54% e depois baixou mais 0,62%, para 2,0306 reais, e o do diesel caiu 1,14%, para 2,3083 reais (preços na refinaria). O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, anunciou que vai zerar a cobrança da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre o diesel, também reivindicação dos grevistas.  Os caminhoneiros argumentam que os cortes são insuficientes e não chegam integralmente aos postos de combustíveis.

Reivindicações

Os caminhoneiros exigem também mudanças na política de reajuste dos combustíveis da Petrobras, o que já foi descartado pelo presidente da estatal Pedro Parente. A nova política de reajustes, adotada pela Petrobras em julho do ano passado, determina que os valores dos combustíveis sofram alterações diárias que acompanhem a cotação internacional do petróleo e a variação do câmbio. Em pouco mais de seis meses, o preço dos combustíveis aumentou mais de 120 vezes, acumulando alta de cerca de 60%.

O preço médio do diesel nas bombas já acumula alta de 8% no ano. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o valor está acima da inflação acumulada no ano de 0,92%.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: