Massacre de Nuseirat – O comandante do CENTCOM do EUA visitou Israel em meio ao massacre

Visita ocorreu junto com o massacre de Israel de pelo menos 274 palestinos e o ferimento de quase 700 outros no campo de refugiados de Nuseirat, no centro da Faixa de Gaza, no sábado.

Massacre de Nuseirat – O comandante do CENTCOM do EUA visitou Israel em meio ao massacre

Visita ocorreu junto com o massacre de Israel de pelo menos 274 palestinos e o ferimento de quase 700 outros no campo de refugiados de Nuseirat, no centro da Faixa de Gaza, no sábado.
Print Friendly, PDF & Email

Reproduzimos abaixo uma notícia publicada no portal Palestine Chronicle, um portal online dedicado à cobertura jornalística dos eventos na Palestina. O Editor-chefe de Palestine Chronicle é o conselheiro editorial de AND, Ramzy Baroud. Ramzy Baroud foi entrevistado pelo AND no programa A Propósito, na edição que pode ser conferida aqui.

O comandante do Comando Central dos EUA (CENTCOM), general Michael Erik Kurilla, visitou Israel no fim de semana a convite do chefe do Estado-Maior israelense, general Herzi Halevi, anunciaram os militares israelenses na terça-feira.

Essa visita ocorreu junto com o massacre de Israel de pelo menos 274 palestinos e o ferimento de quase 700 outros no campo de refugiados de Nuseirat, no centro da Faixa de Gaza, no sábado, durante uma operação para resgatar quatro reféns.

“Kurilla e Halevi realizaram uma avaliação da situação operacional, discutiram os recentes desafios regionais e o fortalecimento da parceria estratégica contra a ameaça iraniana”, disse o porta-voz do exército de ocupação israelense, Avichai Adraee, no X na terça-feira.

“Eles também discutiram os desdobramentos da guerra contra o Hamas na Faixa de Gaza e os contínuos ataques do Hezbollah no Líbano”, acrescentou o post.

Não foram fornecidos detalhes sobre o itinerário da visita de Kurilla.

Em meio a alegações de envolvimento direto dos EUA no ataque a Nuseirat – um sobrevivente afirmou ter visto Rangers dos EUA – Washington e Tel Aviv negaram o uso do píer “humanitário” construído pelos EUA para a operação no campo.

No entanto, relatos de testemunhas oculares e um vídeo compartilhado nos canais israelenses do Telegram sugerem que a operação foi lançada a partir do cais construído pelos EUA e incluiu o uso de um caminhão de entrega de ajuda para ocultar os comandos israelenses enquanto eles se infiltravam no campo.

Genocídio em andamento

Atualmente em julgamento perante a Corte Internacional de Justiça por genocídio contra palestinos, Israel vem travando uma guerra devastadora em Gaza desde 7 de outubro.

De acordo com o Ministério da Saúde de Gaza, 37.164 palestinos foram mortos e 84.832 ficaram feridos no genocídio contínuo de Israel em Gaza, que teve início em 7 de outubro.

Além disso, pelo menos 7.000 pessoas estão desaparecidas, supostamente mortas sob os escombros de suas casas em toda a Faixa.

Organizações palestinas e internacionais afirmam que a maioria dos mortos e feridos são mulheres e crianças.

A guerra israelense resultou em uma fome aguda, principalmente no norte de Gaza, resultando na morte de muitos palestinos, a maioria crianças.

A agressão israelense também resultou no deslocamento forçado de quase dois milhões de pessoas de toda a Faixa de Gaza, sendo que a grande maioria dos deslocados foi forçada a ir para a cidade de Rafah, ao sul, densamente povoada, perto da fronteira com o Egito – no que se tornou o maior êxodo em massa da Palestina desde a Nakba de 1948.

Israel afirma que 1.200 soldados e civis foram mortos durante a operação Al-Aqsa Flood em 7 de outubro. A imprensa israelense publicou relatórios que sugerem que muitos israelenses foram mortos naquele dia por “fogo amigo”.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: