“Bagdá não será subjugada”

https://anovademocracia.com.br/39/24.jpg
https://anovademocracia.com.br/39/24.jpg

“Bagdá não será subjugada”

Print Friendly, PDF & Email

Na madrugada do dia 19 de março de 2003, o insistente soar das sirenes antiaéreas anuncia o esperado: um maciço ataque aéreo é desfechado contra Bagdá, a enorme metrópole de aproximadamente 5 milhões de habitantes, fundada no ano 762 depois de Cristo, por Abu Jaafar Al Mansur, e que foi o centro intelectual e cultural do Planeta por cerca de 500 anos.

https://anovademocracia.com.br/http://jornalzo.com.br/and/wp-content/uploads/39/24-b69.jpg

A invasão de 2003 culminou em mais uma sangrenta guerra entre as que já houveram por milênios nesse curioso país do Oriente Médio, com mais de 5.000 anos de história, considerado o berço da civilização. O Iraque corresponde a Antiga Mesopotâmia (região entre rios), uma zona de aluvião, localizada numa faixa de terra fértil às margens dos rios Tigre e Eufrates e zonas subjacentes, em meio a uma região árida e desolada.

As primeiras civilizações mesopotâmicas surgem com os sumérios, por volta do V milênio antes de Cristo, no sul da Mesopotâmia, em torno do Chat El Arab e no curso inferior do Rio Eufrates, onde hoje se localizam cidades como Basra, Abu Sahrain e Nassiriyah. Graças ao desenvolvimento da agricultura, que possibilitou a essa população abandonar a vida nômade de coleta de alimentos e da caça para se fixarem em aldeias, fundaram então os primeiros nucleos urbanizados que a humanidade tem conhecimento, como Ur, Uruk e Lagash. Desenvolveram um complexo sistema de irrigação e controle das cheias dos rios, garantindo assim o armazenamento de água para as estações mais secas. Praticavam a metalurgia, eram desportistas e astrônomos1. Possuiam uma medicina avançada, e eram peritos em astrologia. Criaram a primeira forma de escrita, conhecida como escrita cuneiforme, o que possibilitou o registro de transações comerciais, documentos estatais e algumas obras literárias, como a Epopéia de Gilgamés, onde temos o primeiro relato do Dilúvio.

Além dos sumérios, vários povos habitaram a região: babilônicos, assírios, caldeus, amoritas e acádios. Por ser uma zona fértil, situada no meio do caminho entre África e Ásia, a Mesopotâmia foi rota de vários povos nômades e expedições de conquista, sendo ocupada também por elamitas, persas, gregos e romanos. Posteriormente, os árabes islamizaram a região, que, a partir de então, passa a ser o maior centro intelectual e cultural do Planeta, originando assim a sociedade mais avançada a ocupar a região até o momento. Era o centro difusor do Islã universal.
Com seu enfraquecimento politico-militar, a Mesopotâmia é invadida e destruida pelos mongóis. Seguem-se sucessivas invasões, até que a região cai em poder dos turcos, e passa a ser provincia do Império Turco-Otomano. O Iraque moderno surge por volta de 1920, com o desmembramento do Império Turco-Otomano, passando então a ser zona de influência britânica, o que gerou fortes sentimentos nacionalistas e de independência.

Até que em 14 de julho de 1958, sob o comando do general comunista Abdul Karim Kassim, o exército iraquiano põe fim a essa dependência, derrubando a monarquia pró-ocidente do Rei Faiçal II, e proclamando a República do Iraque.

Divergências políticas estimularam o partido Ba’ath a preparar um golpe para derrubar o presidente Kassim, contando com auxílio dos serviços secretos norte-americanos. Em 8 de fevereiro de 1963, o plano do golpe militar é deflagrado. Centenas e centenas de militantes esquerdistas, e pessoas supostamente ligadas a eles, foram capturadas e executadas. O presidente Abdul Karim Kassim é capturado e executado no dia seguinte pelos militares, comandos por Ahmad Hassan Al Bakir. Saddam Hussein vai escalando posições, até que ascende a presidência do Iraque.

Motivos de ordem política e econômica levaram Saddam Hussein a preparar-se para uma guerra contra o vizinho Irã. Recebe então ajuda financeira das monarquias árabes do Golfo, assim como suporte de material bélico de paises ocidentais, a exemplo do USA. Em 22 de setembro de 1980, aviões de combate do Iraque bombardeiam várias regiões do Irã, enquanto divisões terrestres cruzavam a fronteira. Era o início duma sangrenta guerra que, durante mais de 8 anos, provocou a morte e mutilação de cerca de 2 milhões de pessoas, entre combatentes e civis, incluindo perdas materiais incríveis, e a devastação da biodiversidade das regiões de conflito.

O Iraque termina a guerra endividado. Então, Saddam Hussein voltou seus olhares para seu vizinho rico em petróleo, o Kuwait, um dos credores, e decide invadi-lo e anexá-lo. A invasão iraquiana gerou forte repúdio por parte da ONU e, por motivos de ordem econômica, também não era bem vista aos olhos dos norte-americanos. Com apoio da ONU, os Estados Unidos reuniram uma força militar abrangendo mais de 30 paises. Em 16 de janeiro de 1991, ante a negativa do Iraque em deixar o Kuwait, a força aérea norte-americana desfecha um ataque demolidor contra Bagdá, dando início a mais de um mês de ataques sistemáticos, que destruiram a infra-estrutura do Iraque e custaram a vida de milhares de civis.

A guerra deixou profundas cicatrizes no povo iraquiano2 e, não obstante o término oficial da guerra, o país continuou sendo bombardeado sistematicamente por EUA e Grã-bretanha durante a década de 90.

Em 2003, Estados Unidos acusam o Iraque de possuir armas de destruição massiva. Equipes de inspeção da ONU são acionadas no Iraque, mas nenhuma prova é encontrada. No entanto, ianques e britânicos (juntamente com outros governos aliados) decidem atacar o Iraque sem o aval da ONU, em aberto desrespeito aos orgãos internacionais.

Em 19 de Março de 2003, uma série de ataques aéreos com mísseis e bombas abre caminho para a invasão terrestre contra o Iraque. As forças iraquianas não tinham capacidade de resistir, o que possibilitou aos invasores avançarem bastante em territorio iraquiano, quase sem resistência.

Mas, os ianques não imaginavam a qualidade nem a magnitude da resistência que deveriam enfrentar após a rápida ocupação. Durante a decada de 90, prevendo uma futura invasão, as forças iraquianas treinaram longamente táticas de guerrilha urbana, o que lhes permitiria o engajamento no combate em condições mais equilibradas, compensando assim a tremenda desproporcionalidade de força. Nesse cenário de guerra, os mísseis, aviões de combate e blindados ianques, se mostraram inúteis. Até agora, a resistência tem se mostrado demolidora, e tudo indica que a desocupação do Iraque é apenas questão de tempo, pois o preço que os EUA e seus aliados estão pagando com a guerra é muito maior que os objetivos que o levaram a ela. A tática de bombarder cidades, torturar inocentes e detonar carros-bomba contra Mesquitas xiitas3 parece não ter dado certo, e o governo norte-americano se vê num atoleiro, de onde dificilmente suas tropas sairão com dignidade, como exemplifica Albayaty Abdul Ilah:

— Se alguém pretende controlar Bagdá pela força, nós dizemos que isso é impossível. Perguntem a todos os partidos, todos os poderosos e todos os regimes que tentaram controlar Bagdá pela força, desde que foi construída por Abu Jaafar Al Mansur até hoje. O destino de todos eles foi serem rejeitados.

E acrescento: quem não compreender nem assimilar a cultura do povo de Bagdá, herdeiro de todas as sucessivas civilizações do Iraque, deveria, juntamente com os seus chefes, voltar para de onde veio.

A cada criança e mulher morta, a cada civil inocente aniquiliado, parecem surigir mais combatentes dispostos a expulsar, pela fibra e determinação, o invasor. Os iraquianos têm algo que os agressores ianques não têm: os corações e mentes de seu povo, que rejeita qualquer aberração ideologica ocidental que se tenta introduzir no Iraque (vício do consumismo, tráfico de drogas e todo tipo de imoralidade difundida pelos meios de comunicação e outros segmentos, que acabam por gerar desestruturação familiar e da sociedade como um todo).

E por todo esse tempo, nenhum povo conseguiu dominar inteiramente a Mesopotâmia. E hoje não é diferente. Albayaty Abdul Ilah acrescenta:

— Perguntem aos estadunidenses se conseguem controlar Bagdá pela força.


1. Os mesopotâmicos sabiam diferenciar as estrelas dos planetas, previam eclipses e conheciam todos os planetas hoje catalogados. Dividiram o ano em meses, os meses em semanas, as semanas em sete dias, os dias em 24 horas, as horas em sessenta minutos e os minutos em sessenta segundos. A astronomia mesopotâmica, juntamente com a egípcia, serviu de base à astronomia dos gregos e muçulmanos, culminando na astronomia moderna desenvolvida na europa.
2. Grande parte dos armamentos usados pelos EUA no Iraque continham urânio empobrecido, um material radioativo que têm provocado a morte e enfermidade de milhares de iraquianos desde a Primeira Guerra do Golfo. A isso, soma-se o fato de que o conselho de Segurança das Nações Unidas impôs um embargo econômico ao Iraque, que impedia a importação de itens de necessidade humanitária ( material médico, generos alimenticios, e etc.)
3. Há fortes indícios de que agentes ianques e grupos ligados a eles, estejam provocando esses ataques com o objetivo de dividir a população iraquiana, tendo inclusive, detenções de invasores que pretendiam jogar carros-bomba cheios de explosivos contra localidades xiitas.

Rejeitem as ordens para assassinar iraquianos e salvem suas vidas

22 de noviembre de 2007
Nota de Workers World (www.workers.org):

Abu Mohammed, que assina esta mensagem, é porta-voz tanto do partido Baath, reconstituído depois da invasão, como da nova coalizão que compõe a resistência iraquiana e cuja formação foi anunciada em 2 de outubro último. Existem outras coalizões na resistência iraquiana que também agrupam milhares de combatentes. Esta nova mensagem reconhece que o rechaço à ocupação cresce entre as tropas ianques.

A todos os oficiais do exército ianque e aos homens e mulheres que estão com destino ao Iraque:

Agora que já estão conscientes de que tudo que seu presidente lhes disse antes de empurrá-los para o inferno iraquiano era uma mentira:

  • O Iraque não teve nenhuma relação com os ataques terroristas de 11 de setembro.
  • O Iraque não tinha armas de destruição em massa.
  • O Iraque não queria prejudicar os cidadãos do USA nem seus interesses.

Quando vieram como invasores, a população iraquiana não os recebeu com flores e caramelos, mas com balas e bombas. Seu combate no Iraque não foi nem tão fácil nem tão curto, mas um longo, sangrento e custoso pesadelo. Muitos de seus companheiros foram devolvidos a seus familiares em caixões, cadeiras de rodas, ou com enfermidades e problemas mentais.

Por que lutam? Por que fazem tantos sacrifícios e os enfrentam com tantos sofrimentos? Para manter em seus cargos Bush, Cheney, Rice e seu partido da guerra? Para ajudar as grandes empresas ianques, como a Halliburton (dirigida anteriormente por seu vice-presidente Richard Cheney) obtenham bilhões de dólares em benefícios? Para continuar a batalha até que sejam expulsos do Iraque depois de uma derrota humilhante?

Nós, mujahideen [combatentes pela liberdade] iraquianos, não tememos disputas com os estadunidenses. Não odiamos os habitantes do USA, mas seguiremos combatendo-os — como invasores e ocupantes de nossa terra — até que derrotemos seu exército e os mercenários. Os obrigaremos a repetir a humilhação da escapada desesperada da Embaixada ianque em Saigon. Por tudo isso, peço a vocês:

  • Terminem com sua participação nesta vergonhosa e perdida guerra.
  • Deixem suas armas e marchem.
  • Não disparem contra os combatentes iraquianos pela liberdade nem contra a população iraquiana.
  • Manifestem-se contra esta guerra vergonhosa e sangrenta.
  • Rechacem as ordens de seus criminosos comandantes para assassinar iraquianos.
  • Escapem para salvar suas vidas.
  • Nós, mujahideen iraquianos, estaremos rapidamente em sua unidade. Não têm escapatória que não seja a capitulação.
  • Prometemos salvar suas vidas e ajudá-los a regressar a seus lares, junto a suas famílias.

Abu Muhammed
Representante político do Partido Baath e da Frente Nacional Iraquiana Pan-árabe e Islâmica

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: