Chilenos protestam no 42º aniversário do golpe USA-Pinochet

https://anovademocracia.com.br/157/02.jpg
https://anovademocracia.com.br/157/02.jpg

Chilenos protestam no 42º aniversário do golpe USA-Pinochet

Print Friendly, PDF & Email

No último dia 11 de setembro, o povo do Chile saiu às ruas para marcar posição contra o fascismo em mais um aniversário do golpe contra Salvador Allende perpetrado pelas forças armadas daquele país sob a liderança de Augusto Pinochet em 1973. Milhares de pessoas engrossaram grandes manifestações de repúdio àquele golpe, tramado desde Washington, e pela punição dos culpados, cúmplices, carrascos e financiadores do mais sanguinário gerenciamento militar terrorista da história da América Latina, que instaurou 17 anos de torturas, sequestros, assassinatos e uma grande e implacável rede de repressão, que, segundo entidades democráticas, tirou a vida de cerca de 40 mil pessoas.

https://anovademocracia.com.br/http://jornalzo.com.br/and/wp-content/uploads/157/02-903.jpg
Jovens lançam coquetéis molotov contra ‘carabineros’

No 42º aniversário deste grande crime contra o povo do Chile, as massas do país também homenagearam os seus mais destacados combatentes democráticos que tombaram mortos na luta contra o regime fascista de USA-Pinochet.

Não menos importante, e também à maneira como ocorreu nos aniversários pregressos do 11 de setembro chileno, os protestos tiveram também a insígnia classista da luta contra a exploração e a opressão a que estão submetidas as massas trabalhadoras daquela grande e combativa nação — exploração e opressão efetuadas pelos governos civis que honram a herança de Pinochet de gerenciar o país segundo os interesses dos monopólios internacionais e da grande burguesia local, ainda que sob juramento de respeito à “democracia”, ao “Estado de direito” e às “liberdades individuais”.

A juventude combatente ergueu barricadas nas ruas de Santigado contra a repressão. Pelo menos 52 pessoas foram presas pela polícia de Michele Bachelet. Cinco ficaram feridas nos confrontos.

A gerente federal Bachelet, que mal se sustenta sobre exíguos 22% de aprovação, fez um discurso em que sequer tocou no assunto da prisão especial que fica a 50 km de Santiago, onde uma centena de criminosos ex-membros do regime de Pinochet cumprem pena gozando de regalias.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: