Luta dos povos indígenas

https://anovademocracia.com.br/144/09a.jpg
https://anovademocracia.com.br/144/09a.jpg

Luta dos povos indígenas

Print Friendly, PDF & Email

Resistência contra ataques de pistoleiros

https://anovademocracia.com.br/http://jornalzo.com.br/and/wp-content/uploads/144/09a-66f.jpg
Guerreiros indígenas do MS: resistência!

Na última semana de 2014 foram veiculadas notícias de novos ataques de pistoleiros a mando de latifundiários contra lideranças e comunidades Guarani Kaiowá no sul do Mato Grosso do Sul.

De acordo com denúncia dos indígenas, no tekohá (aldeia) Guaiviry-Aral Moreira, próximo a Ponta Porã, o filho do cacique Nísio Gomes, Genito Gomes, e o professor indígena Daniel sofreram cerco e ameaça de morte por fazendeiros. Um carro com dois pistoleiros armados percorreu as fazendas Maranatá, Querência Nativa, Chimarrão e Água Branca e parou na entrada da área indígena, onde o professor Daniel foi ameaçado e tentaram forçá-lo a subir no carro.

Genito e Daniel reagiram e resistiram. Guerreiros e guerreiras Kaiowá cercaram o veículo e obrigaram os pistoleiros a fugir.

Os indígenas denunciam que, do mesmo modo, a aldeia Kurusu Amba, no município de Coronel Sapucaia, sofre cerco e a ameaça de pistoleiros. Há relatos de enfrentamentos entre os bandos armados do latifúndio e os guerreiros e guerreiras da tribo.

No dia 16/12/2014, denunciam as lideranças Kaiowá, quatro “seguranças particulares” do latifúndio atacaram as comunidades indígenas de tekohá Tey’i Juçu-Caarapó. Os guerreiros da tribo prenderam e desarmaram pistoleiros e os entregaram à Polícia Federal. Eles relatam ter ouvido vários disparos feitos pelos pistoleiros contra as aldeias no final de dezembro.

“Diante desses fatos, comunicamos a todas as autoridades federais que há risco iminente de acontecer pior confronto no sul de Mato Grosso do Sul, visto que os indígenas decidem em se proteger do ataque e das ações dos pistoleiros das fazendas”, alertam os Guarani Kaiowá em nota datada de 30 de dezembro de 2014 [fonte: entrefronteiras.com.br].

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: