Lutas de Libertação Nacional

https://anovademocracia.com.br/80/19a.jpg
https://anovademocracia.com.br/80/19a.jpg

Lutas de Libertação Nacional

Print Friendly, PDF & Email

Iraque

Resistência ataca Zona Verde

http://jornalzo.com.br/and/wp-content/uploads/https://anovademocracia.com.br/80/19a.jpg
A resistência iraquiana bombardeou intensamente a Zona Verde

No dia 5 de julho uma ação bem sucedida da resistência iraquiana em Taji, a 15 quilômetros de Bagdá, teve como alvo o conselho municipal, impondo à administração pública iraquiana títere dos invasores ianques um saldo de 35 mortos e 28 feridos.

No dia anterior, a resistência disparou uma série de foguetes contra a famigerada Zona Verde, região superprotegida de Bagdá onde moram e trabalham os comandantes da ocupação imperialista e todo o aparato convocado para lhes servir. Cinco pessoas morreram e sete ficaram feridas.

Em julho foram divulgados os números oficiais das baixas entre os invasores no mês anterior, junho. A resistência iraquiana matou 77 policiais e 39 soldados, segundo dados dos ministérios iraquianos da Saúde, da Defesa e do Interior. Estes números colocam junho como o mês mais sangrento para o imperialismo no Iraque em 2011. Antes, o pior mês para os invasores havia sido maio, o que mostra que a resistência vem intensificando as ações contra o inimigo.

Afeganistão

Resistência justiça irmão do títere Karzai

http://jornalzo.com.br/and/wp-content/uploads/https://anovademocracia.com.br/80/19b.jpg
Policiais guardam a casa do conselheiro presidencial

No dia 12 de julho o irmão mais jovem do gerente-fantoche do USA Hamid Karzai, Ahmed Wali Karzai, foi justiçado na província de Kandahar, da qual era “líder do conselho provincial”, posto que usava para executar as ordens do comando da invasão estrangeira na região. A princípio, Karzai e o USA tentaram fazer crer que a morte de Ahmed, leal capacho do USA, foi um ato isolado de um guarda-costas tresloucado, mas logo a resistência afegã assumiu a autoria da ação, classificando-a como uma de suas maiores conquistas em quase dez anos de enfrentamento com a coalizão agressora.

No funeral de Ahmed Wali Karzai, que naturalmente estava repleto de membros da administração afegã títere do imperialismo, uma nova ação resultou na morte de mais quatro pessoas. Karzai, infelizmente, já havia regressado à capital Cabul.

Relatórios de agências internacionais dão conta de que dois terços do povo afegão vivem em permanente risco de passar fome. Em 2011, a colheita de trigo se reduzirá em 28% devido à intensa seca que castiga o país, mas também por causa da devastação da guerra imperialista nas lavouras.

Cinco invasores franceses mortos pela resistência

No dia 13 de julho as tropas invasoras francesas sofreram cinco baixas em um ataque da resistência empreendido no dia seguinte à passagem do presidente francês Nicolas Sarkozy no Afeganistão. 

Com essas cinco mortes, subiu para 69 o número de baixas militares francesas no Afeganistão desde a invasão do país comandada pelos ianques. Tratando da coalizão toda, em 2011, 310 militares foram mortos pela resistência afegã, sendo 215 deles ianques.

Cerca de quatro mil militares franceses fazem parte das forças invasoras. Nicolas Sarkozy anunciou a retirada das tropas francesas do país no ano que vem.

Ataque a colaborador pró-ianque

Em 18 de junho foi noticiado um ataque da resistência afegã contra um colaborador do presidente títere Hamid Karzai.

Dois membros da resistência atacaram a casa do assessor de Karzai, Jan Mohamed Khan, situada no Distrito 3 de Kabul. Lá também se encontrava o deputado Mohamed Hashem. Ambos foram mortos.

O ataque ainda deixou outros cinco colaboradores de Karzai mortos e vários feridos.

Haiti

Velho Estado brasileiro treinou paraguaios

Documentos do Wikileaks divulgados recentemente revelaram que, dois anos após assumir o comando da repressão e ocupação militar do Haiti, o velho Estado brasileiro enviou 1,7 milhão de dólares ao gerenciamento do velho Estado paraguaio para que exército reacionário daquele país também integrasse as forças de repressão. A informação consta de um telegrama da Embaixada dos Estados Unidos em Assunção.

O documento atesta que, em julho de 2006, o governo brasileiro havia confirmado a quantia. Consta nos papéis oficiais ianques que “os fundos serão utilizados para reparar 40 veículos blindados e prover equipamentos, uniformes e treinamento para um pelotão de capacetes-azuis que irão integrar o contingente brasileiro”.

Um oficial do Exército paraguaio, cujo nome foi mantido em sigilo, revelou à Embaixada que o grupamento a ser enviado ao Haiti consistiria em cinco oficiais e 25 praças. Em conversa com diplomatas ianques, o militar também confidenciou que o Brasil queria treinar os soldados paraguaios numa escola especializada na formação de tropas, localizada em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Porém, acabou concordando em permitir que a preparação acontecesse no país vizinho, sob a orientação de uma equipe brasileira que desembarcaria no Paraguai em duas semanas.

“O oficial disse ao DAO que os brasileiros decidiram apoiar as tropas paraguaias porque políticos do país subiram o tom de suas reclamações sobre o Mercosul e a Usina de Itaipu”, afirma o telegrama, que continua com o comentário dos funcionários da Embaixada: “Sempre que o Paraguai se queixa ou ameaça quebrar acordos envolvendo o Mercosul e Itaipu, o Brasil oferece financiamento a alguns programas para fazer os paraguaios felizes.”

O documento é parte de 2.500 despachos diplomáticos referentes ao Brasil ainda inéditos que vêm sendo publicados ao longo das últimas semanas.

Palestina

Israel sionista prende e condena crianças palestinas

Rafael Gomes p/ o blog da redação do AND

http://jornalzo.com.br/and/wp-content/uploads/https://anovademocracia.com.br/80/19c.jpg
Crianças prisioneiras em Israel

Em julho, o grupo B’TSelem divulgou um relatório constando que cerca de 93% dos menores palestinos apreendidos na Cisjordânia foram julgados em tribunais militares e condenados a penas que chegam até 20 meses.

Segundo o relatório, no último semestre, 19 crianças palestinas com idades de 12 e 13 anos ficaram encarceradas por até dois meses. Os menores foram presos por atirar pedras contra soldados israelenses, o que constitui, segundo o exército sionista, “transgressão criminal séria”.

Cinquenta jovens palestinos, que também foram acusados de pertencerem a “grupos terroristas”, descreveram as suas prisões, desde o momento em que foram detidos até o momento em que foram libertos, em entrevista para os pesquisadores da B’TSelem.

Os menores declararam que os soldados sionistas não os deixaram dormir, ir ao banheiro ou se alimentar enquanto esperavam pelo interrogatório. O relatório diz que grande parte das crianças são forçadas a se declarar culpadas, para que obtenham sentenças menores e não precisem aguardar o julgamento na cadeia. O número de crianças detidas pelo Estado fascista de Israel entre 2005/2010 chega a 835.

O grupo B’TSelem diz ainda que 26% dos menores de 14 e 15 anos cumpriram pena de quatro meses ou mais e 59% dos jovens de 16 e 17 anos cumpriram penas a partir de quatro meses. Esses dados expõem cada vez mais para o mundo a que tipo de selvageria e brutalidade as hordas sionistas se prestam.

Novos confrontos em Gaza

Em julho recrudesceram as escaramuças nos limites da Faixa de Gaza. No dia 7 de julho a resistência palestina tocaiou um comboio de cinco tanques de guerra israelenses que avançaram 300 metros Gaza adentro. Houve uma forte explosão que deixou ao menos um soldado sionista ferido. Como de praxe, Israel usou a resposta à sua provocação como pretexto para desencadear a covardia mais uma vez, lançando um forte ataque noturno à Faixa de Gaza dois dias depois.

China

Seis operários condenados por participarem de protesto

http://jornalzo.com.br/and/wp-content/uploads/https://anovademocracia.com.br/80/19d.jpg
Protesto de trabalhadores destruiu viaturas

Seis operários imigrantes que protagonizaram um dos mais violentos protestos populares dos últimos anos na província de Cantão receberam penas que variam de nove meses a três anos de prisão.

Os protestos ocorreram entre os dias 10 e 12 de junho na cidade de Xintan, quando centenas de trabalhadores, em sua maioria oriundos da província de Sichuan (região central da China), destruíram viaturas policiais e incendiaram prédios do governo após a detenção de uma vendedora ambulante que estava grávida.

A polícia reprimiu o protesto com brutalidade e prendeu aproximadamente 25 manifestantes, dentre eles estão os seis condenados.

A pena mais pesada recaiu sobre Li Zhonghuang, acusado de destruir três viaturas policiais. Li estava a frente de um grupo que repeliu a repressão policial ao protesto.

Ele foi acusado de liderar o grupo, os demais receberam penas menores.

A revolta popular resultou na queda de vários membros do governo, inclusive o secretário do reacionário Partido Comunista da China – PCCh em Xintang.

Ainda que o detonador do protesto tenha sido a prisão da vendedora ambulante, membros do governo reconheceram que problemas como a inflação dos alimentos e o arrocho salarial imposto à classe operária e aos imigrantes foram fatores chave para o conflito.

República Dominicana

Homem assassinado ao filmar protesto

Anderson Parra Cruceta, 33 anos, foi assassinado com um tiro enquanto filmava um protesto popular com seu celular, bem em frente a sua casa, em Villa Faro, próximo à estrada de Mendoza, na República Dominicana.

Ele recebeu um disparo na boca e foi levado até o Hospital Darío Contreras, onde já chegou morto.

Milhares de manifestantes protestavam contra a carestia de vida e a política econômica do gerenciamento de turno. Durante os protestos, um garoto de 13 anos identificado como Evenci Lamour também foi ferido por um disparo de arma de fogo.

O cabo da Polícia Nacional, Santo Tejada Encarnación, suspeito de ter atirado contra Anderson, foi afastado de suas funções e será levado a julgamento.

Centenas de pessoas foram às ruas protestar contra o assassinato de Anderson e vigorosos protestos seguem se avolumando contra a miséria e as políticas antipovo do gerenciamento do velho Estado dominicano.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: