Os desastres das chuvas e da negligência

https://anovademocracia.com.br/123/08a.jpg
https://anovademocracia.com.br/123/08a.jpg

Os desastres das chuvas e da negligência

Print Friendly, PDF & Email
https://anovademocracia.com.br/http://jornalzo.com.br/and/wp-content/uploads/123/08a-c4d.jpg
Moradores contaram apenas com a solidariedade de amigos.

Em um intervalo de apenas cinco dias, duas chuvas torrenciais atingiram a cidade do Rio de Janeiro e região metropolitana. Um dos municípios mais devastados pela tempestade do dia 10 de dezembro foi Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, onde cerca de duas mil pessoas ficaram desabrigadas. Enquanto o monopólio da imprensa e os gerenciamentos de turno se preocupam em culpar a natureza pelo problema, moradores acusam o Estado de negligência na prevenção às enchentes e deslizamentos de terra. No dia 12 de dezembro, a equipe de AND foi ao bairro de Austin, em Nova Iguaçu, e conversou com os moradores, que não pouparam críticas ao governador Sérgio Cabral e ao prefeito Nelson Bornier.

A chuva realmente é um negócio da natureza. Mas se tivesse preparado o local para receber esse tipo de temporal, nada disso teria acontecido. Infelizmente eu não tenho nem com quem reclamar a não ser vocês da imprensa. O jeito é trabalhar tudo de novo e comprar tudo de novo. Não adianta falar com ninguém. Todos aqui precisam muito de ajuda — diz o comerciante Maurício Lopes, de 58 anos.

O Estado aqui não tem feito nada por nós. Olha aí os fundos da minha casa. Olha a quantidade de barro que desceu. E agora cadê o prefeito e o governador? Sumiram. Foi muita chuva. Eu passei a noite com a minha mãe doente dormindo dentro de um carro — lamenta a cozinheira Silvia dos Santos, de 49 anos.

A psicóloga Glória Lopes teve sua casa invadida pela água, apesar das obras que fez para conter as enxurradas. Ela vive com a mãe que é deficiente e teve que ser retirada às pressas do local. Móveis foram suspensos sobre caixas de cerveja e o barro estava por toda parte.

Minha mãe tem 87 anos e nós tivemos que sair correndo com ela. Suspendemos os móveis sobre caixas de cerveja para não perdemos mais do que já havíamos perdido. Minha mãe é cadeirante e sempre passa um sufoco quando isso acontece. Aqui em Austin o Estado não tem feito nada. Aumentou o número de habitantes, mas nada mudou. Não aumentou a rede de esgoto, as ruas, nada. Eu não acredito no poder público, porque a cada ano que passa, as pessoas vão morrendo. Aconteceu no morro do Bumba, na região serrana e, a cada ano que passa, tem uma nova tragédia — conta a psicóloga.

Morador do bairro Tinguazinho, o comerciante aposentado Elias Amaral acusa a prefeitura de economizar recursos nas obras de saneamento em Austin e utilizar o pior asfalto possível no capeamento das ruas do bairro.

Isso aqui piorou muito depois dessas obras de saneamento básico que a prefeitura de Nova Iguaçu fez. Eles usaram canaletas muito pequenas. Com isso, a água sai pelo ralo das casas em dias de chuva forte. Ou seja, a água vem de dentro para fora, não mais de fora para dentro. Eu moro aqui há 50 anos e nós nunca passamos por isso aqui. A obra de saneamento era para melhor, mas se fosse uma coisa bem feita, com uma estrutura melhor. Sem contar que essa obra do PAC já está anos acontecendo e não resolveu em nada nosso problema — denuncia.

Ao lado de onde morava o Seu Elias, um abrigo foi improvisado no salão de festas da Rua das Mangueiras. A dona de casa Roseni Tavares e toda a sua família trabalhavam voluntariamente no local organizando e distribuindo donativos. Mesmo cansada e abatida, Roseni conduziu nossa equipe e fez questão de dizer que somente o povo tem se solidarizado.

Em Austin nós temos cinco vereadores eleitos e nenhum deles apareceu aqui para ajudar em nada. Muita coisa poderia ter sido evitada, se eles viessem aqui pelo menos uma vez por ano ver a nossa situação. Ontem tinha criança na rua cheia de barro, senhora de camisola chorando na chuva e a gente fica revoltada com as autoridades que não olham por nós. Agora eles estão dando aluguel social, mas e enquanto esses cheques não saem? As pessoas estão sem casa. Elas vão para onde? Nós estamos aqui resolvendo os problemas urgentes: água, comida e cobertor. Estamos trabalhando eu, meu cunhado, minha filhas, minhas sobrinhas para tentar ajudar de alguma forma nossos vizinhos e amigos. Infelizmente é uma vergonha esses vereadores, o prefeito e o governador que foram eleitos pelo povo e agora não fazem nada pela gente — protesta Roseni.

As chuvas e a negligência do Estado mataram 5 pessoas no estado do Rio de Janeiro nessa ocasião. Nos dias seguintes, os estados de Minas Gerais, Espírito Santo e o norte do Rio de Janeiro também passaram por enchentes e desabamentos terríveis.

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: